Agronegócio

Produção de alimentos orgânicos substitui cultivos convencionais

Prefeitura e Emater desenvolvem ações para ampliar oferta de alimentos sem agrotóxicos

Créditos: Redação
TRABALHO: Anderson e Joice apostam na produção de frutas sem agrotóxicos - divulgação

Forquetinha - Ações desenvolvidas pela Secretaria da Agricultura, em parceria com a Emater/RS-Ascar, buscam garantir sustentabilidade às propriedades e expandir a área cultivada com alimentos livres de agrotóxicos.

Conforme o prefeito Paulo José Grunewald, os objetivos são oferecer aos consumidores produtos mais saudáveis, preservar os recursos naturais, aumentar a renda das famílias e fortalecer a economia.

"Existe mercado. Vamos intensificar a orientação técnica, os incentivos, buscar novos canais de venda e esclarecer os males causados pela ingestão de produtos contaminados com agroquímicos", enfatiza.

Ele destaca que o aumento nos casos de câncer está diretamente ligado ao consumo de alimentos cultivados com agrotóxicos. Grunewald diz que os alunos, tanto da Educação Infantil quanto no Ensino Fundamental já desenvolvem projetos nos quais é abordada a importância de uma alimentação correta.

"Na creche temos uma horta onde os estudantes aprendem a cultivar e consumir alimentos sem venenos. Isso influencia os pais a mudar a forma de produzir e comprar", afirma.

Segundo ele, várias famílias adotam novos modelos produtivos e são exemplo de que é possível produzir de forma sustentável, em larga escala, e oferecer um alimento mais saudável. "Começamos faz dez anos, em uma propriedade onde o tabaco convencional foi substituído pelo orgânico. Agora, queremos expandir para outros cultivos, principalmente hortigranjeiros", comenta.

Jovens implantam pomar
Anderson Bald e a namorada, Joice Dragoon, de São Vitor, integram o grupo de seis famílias do Vale do Taquari que buscam criar uma Organização de Controle Social (OCS), que receberá o nome de Orgânicos do Vale.

Segundo Bald, a produção livre de agroquímicos, além de oferecer ao cliente um alimento mais saudável, garante um ambiente mais protegido. "Queremos ter mais qualidade de vida. Comer e vender alimentos mais nutritivos e saborosos."

A família de Bald já produz melado e schmier. Desde fevereiro, não aplicam qualquer tipo de agrotóxico na lavoura, onde foi implantado o pomar de figueiras. As primeiras frutas serão colhidas em fevereiro de 2018. O casal planeja iniciar a produção de morangos, amoras e laranjas. O controle de doenças e pragas será feito com produtos biológicos. Tudo será processado em uma agroindústria, cujo prédio será construído no ano que vem.

Joice busca qualificação para assumir a responsabilidade técnica. "Vamos produzir de acordo com as leis, nos adaptar às exigências dos consumidores e buscar a certificação para agregar valor aos produtos", afirma.

Consumo garantido
De acordo com o supervisor da Emater Regional de Lajeado, João Caíno, a organização tem por objetivo estimular os agricultores para a produção de alimentos orgânicos, certificando-os e dando visibilidade a seus cultivos.

"Os produtos livres de agroquímicos são cada vez mais procurados pelo consumidor. É um nicho de mercado fenomenal. Hoje, o consumo é maior do que a oferta", destaca.

Conforme Caíno, atualmente, no Estado, cada pessoa consome mais de oito quilos de agrotóxicos. Para reverter este número, a Emater desenvolve cursos e capacitações sobre manejo, controle de doenças, pragas e formas de expandir a produção e a venda de produtos orgânicos.

Comentários

VEJA TAMBÉM...