Colunistas

Sua Excelência a paternidade

A paternidade é uma dádiva divina, que nos alcança a possibilidade de contribuir não só na geração, mas na formação dos filhos


Estamos no fim de semana em que, no domingo, comemoramos o Dia dos Pais, reservado a homenagear nossos pais e a receber, dos filhos, essas mesmas homenagens.A paternidade é uma dádiva divina, que nos alcança a possibilidade de contribuir não só na geração, mas na formação dos filhos, visando a entregar-lhes as condições necessárias à harmoniosa e produtiva convivência em sociedade, na busca da felicidade.

As condições a que me refiro não devem se resumir ao acesso a bens de consumo - como, infelizmente, boa parte dos pais considera, em regra movidos pela necessidade de compensação de suas ausências -, senão à construção de um arcabouço estrutural calcado na moral, que em si deve encerrar uma longa lista de princípios e virtudes que incluem a honestidade, o respeito ao próximo, a solidariedade, ao trabalho como fonte de sustento, etc.

É notório o fato que há uma acentuada redução da quantidade de filhos que cada família possui se compararmos com a realidade vivida pelas famílias de nossos pais. Isso poderia sugerir que, com menos filhos, as condições estruturais a eles dadas assumissem melhor condição.

A mim parece, contudo, que o encolhimento da quantidade de membros de uma família não necessariamente resulta em melhores condições estruturais a eles alcançadas, e isso em grande medida deriva das novas formas de constituição/desconstituição dos núcleos familiares.

De toda sorte, independentemente da situação em que a paternidade seja alcançada, creio surgir com ela a indelegável responsabilidade pela construção das condições antes enunciadas, capazes de erigir filhos em cidadãos e com isso edificar uma sociedade cada vez mais harmônica, centrada no respeito mútuo.

E esse senso de responsabilidade precisa ser trabalhado pelos pais de hoje em relação aos de amanhã, de forma que, lastrados no exemplo, filhos possam ser bons pais e bons pais gerar e construir bons filhos, que serão ainda melhores pais, num círculo virtuoso capaz de mudar a sociedade para melhor.

Por muitas vezes, ao longo da jornada que percorri na instituição por meio da qual servi à sociedade, presenciei filhos maldizendo pais, culpando-os por seus infortúnios, assim como pais aviltando seus filhos pelos descaminhos por eles percorridos. O certo, contudo, é que nesse cenário é fácil a correnteza nos levar, se pontes não forem construídas para não ruir ao primeiro impacto.

E uma das assertivas que mais ouvi foi a seguinte: pai, adote seu filho antes que um traficante o faça!As consequências da paternidade irresponsável não precisam ser ditas, pois são visíveis e se manifestam a todo momento em nossa sociedade.

Assim, nesse Dia dos Pais os cumprimentos a todos aqueles que exercem a paternidade com a responsabilidade pela edificação de seus filhos, na certeza de que estão eficazmente contribuindo para a geração de um círculo virtuoso na direção da construção de uma sociedade melhor. 

Comentários

VEJA TAMBÉM...