Colunistas

Duas perguntas para Monja Coen

A Filosofia é o início de tudo. A Filosofia ensina não somente a pensar mas também a silenciar.


Começo de conversa

Transição

"Vim para fazer a transição e espero ser reconhecido lá na frente". Detentor de uma popularidade na casa dos 3%, uma ampla base no Congresso e interessado em promover reformas até o último dia de seu governo, o presidente Michel Temer trabalha diuturnamente para chegar ao final do mandato num patamar bem melhor do que aquele registrado hoje.

 

Não custa repetir: as grandes transformações que o País reclama não comportam atitudes protelatórias.


Triste ironia
As senhoras Garotinho e Cabral se encontraram na cela: "Tudo joia?" "Claro que não, dinheiro vivo também". "Ah, bom".


Feliz encontro
Sem vaidade alguma preciso partilhar que no domingo último tive a grata oportunidade de estar por mais de meia hora com a Monja Coen. Paz, tranquilidade e muita alegria no olhar! Somente assim é possível resumir quem ela é. Em nenhum momento ela deixou de atender pessoas que por ela passavam e a cumprimentavam. Fez seu lanche - frutas e água - e conseguimos trocar algumas ideias e inclusive, felizmente, ela deixou-nos a sua participação abaixo. Ela me acolheu com mãos em prece e despediu-se também, com mãos em prece!


Duas perguntas para Monja Coen Roshi.
Foi jornalista profissional em sua juventude, tendo sido repórter do Jornal da Tarde, vespertino da empresa S.A. O Estado de S.Paulo - uma das maiores empresas jornalísticas do Brasil. Na década de 1970 foi morar em Los Angeles, na Califórnia, trabalhando como funcionária local do Banco do Brasil S.A. Nessa época iniciou práticas regulares de zazen no Zen Center of Los Angeles. Tornou-se residente da comunidade de Los Angeles e fez os votos monásticos em 14 de janeiro de 1983.

1) Qual é o maior motivo para tanta aflição ultimamente?
Estimamos demais o material. Deixamos de lado o nosso "eu" pessoa. Somos demasiadamente levados a consumir, consumir... nem todos podem. Aí está uma das causas das frustrações. É preciso aceitar a vida como ela é. Nem tudo é e nem tudo será perfeito. Mas é necessário que fiquemos atentos ao silêncio interior que tem muitas respostas. Estamos sempre nos comunicando em vários níveis. Todo nosso corpo fala. Gestos, movimentos, odores, expressões faciais, lágrimas, sorrisos.
Olhos que se desviam, que encaram, que gritam, que sussurram. A palavra pode mascarar um sentimento, uma emoção, mas quem estiver desperta, quem for capaz de realmente ver, saberá que há algo além da palavra bonita ou áspera.
Encontrar a sabedoria superior, a capacidade de compreender as causas e condições e poder atuar para transformar, para criar harmonia e respeito - isso é o essencial. Podemos nos tornar espaços de tranquilidade, de silêncio profundo e de encontro com o mais precioso e sagrado em nós e em cada partícula cósmica.

2)Qual é o papel da Filosofia nestes dias atuais?
A Filosofia é o início de tudo. A Filosofia ensina não somente a pensar mas também a silenciar. Quando uma questão cala na alma é porque ela nos faz refletir. Ainda, é importante termos presente que a Filosofia defende o diferente. Não existe uma única forma de pensar. Tomemos os filósofos mais "pops" do Brasil. Pondé, Cortella e Karnal não têm as mesmas ideias. Mas eles dialogam. Aí está uma das coisas mais importantes: o diferente dialogar. Lamento apenas que no Brasil ainda não temos a tradição de estudar a Filosofia Oriental. Temos ainda muito pela frente, mas eu não sou pessimista e não desisto.


Você sabia que...

Lajeado já teve uma linha de ônibus chamada de "Empreza A. Martins". A linha fazia "Lageado", via Mariante até chegar em "Venâncio Ayres". A lembrança e partilha da imagem é cortesia do cidadão de Lajeado, Aristides Voltaire Mello Tavares. Abaixo imagem e mantida grafia da época, anos de 1950.

 

Já foi dito...
"A democracia é tão superestimada?"
Frank Underwood

 

 

Comentários

VEJA TAMBÉM...