Colunistas

O combate à corrupção é o combate ao capitalismo de compadrio

Douglas Sandri | Engenheiro [email protected]

Créditos: Douglas Sandri

Combater a corrupção é uma questão sobretudo moral. É indignante quando agentes públicos enriquecem às custas do dinheiro suado recolhido majoritariamente da mesa de gente pobre. É também um desvio da finalidade do Estado que acaba não tendo recursos para áreas mais essenciais. Estas são razões morais, mas não se pode deixar de observar as questões econômicas que surgem com subproduto da corrupção.

Capitalismo de laços ou capitalismo de compadrio é o nome dado ao relacionamento promíscuo entre agentes econômicos e agentes políticos para benefício mútuo. A Lava-Jato escancarou que não vivemos em um país em que a liberdade econômica é a regra. Já sabíamos isto da experiência diária e da comparação com rankings internacionais, em que o Brasil figura na 150ª posição em termos de liberdade econômica da Heritage Foundation.

A velha frase exemplifica bem as relações clientelistas que decorrem não por acaso muitas vezes: "plantar dificuldade para vender facilidades". Esta tem sido a tônica que tornou o Brasil refém de grupos que se estabeleceram no poder e dominaram o cenário político através das mais espúrias alianças. A Lava-Jato e operações de combate ao crime e a corrupção são peças fundamentais para a desarticulação deste que virou quase um modelo de Estado no nosso país. Recebeu a alcunha de "cleptocracia".

Uma das principais medidas para reforçar o combate à corrupção deve ser, sim, as investigações e a garantia de severas punições, o fim da impunidade, que é a mãe da corrupção, conforme definiu o procurador José Augusto Vagos da da Lava Jato do Rio de Janeiro. Ainda assim o melhor combate possível à corrupção é a privatização e extinção das estatais, que servem como fonte bilionária de recursos para quem quer se locupletar.

Se a impunidade é a mãe da corrupção, ela é a avó do capitalismo de compadrio e grande parte dos motivos pelos quais nós não conseguimos nos tornar uma grande nação.

 

 


Comentários

VEJA TAMBÉM...