Economia

"Vamos chegar a R$ 2 bilhões em 2021"

Presidente da cooperativa Languiru, Dirceu Bayer, faz retrospectiva sobre 2018 e fala sobre o futuro

Créditos: Julian Kober
Presidente da Languiru, Dircey Bayer, palestra sobre o momento atual da cooperativa e as apostas para futuro - Lidiane Mallmann

Teutônia - O presidente da Cooperativa Languiru, Dirceu Bayer, foi o palestrante do tradicional almoço empresarial realizado pela Câmara de Indústria e Comércio e Servições (CIC). Com o auditório da entidade lotado, a liderança de uma das cooperativas mais importantes da região fez um discurso honesto e emocionante, destacando a importância do aperfeiçoamento das ferramentas de governança.

Em um primeiro momento, Bayer saudou os presentes - desde as lideranças regionais aos integrantes dos conselhos Administrativo e Fiscal da cooperativa - e destacou a importância do relacionamento entre as entidades do município e da região. "Dentro do sistema cooperativo é sempre importante destacar a ajuda, que é a base do sistema, a transparência e a nossa preocupação de colocarmos avante esse grande projeto chamado cooperativa."

Bayer fez uma retrospectiva com os principais acontecimentos deste ano. Foi objetivo ao comentar a reestruturação interna. Segundo ele, decisões foram tomadas para garantir a sustentabilidade da organização. "Tivemos que tomar medidas fortes, mas hoje estamos em ambiente de tranquilidade", afirma.

Para o presidente da Languiru, tais mudanças permitiram a continuidade dos projetos da cooperativa, que está fazendo investimentos de alta envergadura, apesar do momento do país. "Qualquer segmento da economia neste momento não faz grandes investimentos e, por isso, não existe a retomada na maioria dos setores, inclusive o nosso, no consumo, em função do desemprego."

 

Conquistas

Dirceu Bayer destacou as conquistas da Languiru, que hoje conta com cerca de 6,2 mil associados em 67 municípios. Este ano, a cooperativa cresceu em torno de 8%. Em 2019, a expectativa é de 10%. "Vamos chegar a R$ 2 bilhões de faturamento bruto em 2021. No ano que vem, queremos alcançar R$ 1,5 bilhão. Qual o segredo? Nós temos no nosso DNA o princípio de agregar valor à matéria-prima."

Serão investidos em torno R$ 50 milhões na produção de aves e ampliação da rede de supermercados, garantindo a expansão do frigorífico e proporcionando a oportunidade de mais produtores aderirem à integração avícola. Bayer ressalta que a Languiru segue firme em todos os segmentos em que atua. "É uma das empresas mais diversificadas do país e nos posicionamos como uma das maiores cooperativas de produção do Estado por causa da agregação de valor", afirma. A cooperativa conta com 25 unidades, o que na sua visão, dá sustentação em tempos de crise. Outro destaque foi o reconhecimento no 11º Prêmio SomosCoop, com o primeiro lugar na categoria Fidelização, com o seu Programa de Inclusão Social e Produtiva no Campo. "O projeto de incluir os pequenos produtores e adquirir tudo que eles produzem para os nossos mercados. Isso é inclusão social, e nós fomos reconhecidos por isso."

Também citou a parceria com a Dália Alimentos, anunciada na Expovale. "A intercooperação é fundamental no segmento. As duas são as maiores cooperativas. Vamos nos unir para ser mais fortes juntos."

 

Expectativa

Durante o almoço empresarial, Dirceu Bayer também apresentou as suas expectativas para 2019 com a mudança do governo federal. Ele acredita que a economia como um todo tem tudo para melhorar no próximo ano. Também considera que o novo governo transmite a esperança de dias melhores. "É um novo momento, onde nós soubemos que um dos principais problemas era essa corrupção que atingiu o país. Nós temos um clima de esperança no povo brasileiro."

Para o presidente da Languiru, o Brasil tem potenciais de causar inveja em outros países, com duas a três safras por ano, água potável e uma das maiores reservas mundiais de água doce. Falta estabilidade econômica. "Vejo que o grande fator responsável pela instabilidade, sem dúvidas, é o dólar, a questão cambial, porque ela gera inflação. Uma inflação que ficou represada, escondida nos últimos tempos, mas que, a partir do momento do fortalecimento da nossa moeda, já sinalizou um recuo da questão cambial. Isso é bom para o Brasil todo. Com inflação, não se consegue gerar desenvolvimento."

 

Gestão

O evento também contou com a advogada do setor jurídico da Languiru, Renata Ribeiro Madalosso Rosa, e o consultor externo advogado Lucas Martins Dias, que abordaram o aperfeiçoamento na governança da Languiru. Conforme Renata, desde a posse de Dirceu Bayer na presidência, em 2002, a cooperativa começou a implementar mudanças nos mecanismos de governança. "A que implementamos não surgiu no ano passado. Ela sempre existiu na Languiru, nas mais diversas formas de controle, de regulamento, de investimentos."

E diante de um cenário nacional cada vez mais competitivo, a Languiru sentiu a necessidade de continuar e intensificar o aperfeiçoamento das ferramentas de gestão. Com isso, a cooperativa busca mais efetividade e longevidade, proporcionando maior controle, transparência e prestação de contas aos associados. "Governança nada mais é do que implementar controles e respeitar princípios. Os princípios da transparência, da idoneidade, da prestação de contas - no caso da cooperativa, com todos os cooperados - e a responsabilidade corporativa. A governança, para nós da Languiru, é aperfeiçoar os meios de controle para que a cooperativa consiga ter mais competitividade no mercado."

Comentários

VEJA TAMBÉM...