Economia

À frente do barco ou da empresa, importante é olhar o contexto

Velejador e administrador faz analogia entre embarcação e organização empresarial durante palestra no Happy Hour da Cacis

Créditos: Luciane Eschberger Ferreira
Happy Hour: Cássio do Canto palestra na Cacis - Luciane Eschberger Ferreira

Estrela - O velejador e administrador Cássio do Canto foi o palestrante do Happy Hour da Câmara de Indústria, Comércio e Serviços de Estrela (Cacis), no final da tarde de quinta-feira (25), no Estrela Palace Hotel. Canto abriu a atividade perguntando à plateia: "O que tem a ver barco com empresa?". Ele, que tem experiência nas duas áreas, foi logo esclarecendo. No barco tem tripulação, capitão, clima, destino, rota e velas. Na empresa, equipe, líder, mercado, metas, planejamento e recursos. O clima depende das correntes, dos ventos, das ondas. É imprevisível como o mercado, que envolve economia, política, concorrentes.

Canto destacou que o mercado teve um marco muito significativo, em 2002, com o início da revolução digital. Antes, no mundo analógico, na era industrial, tudo era previsível, repetitivo e linear. A maior ferramenta era o controle. Se o trabalho fosse feito de uma forma e desse certo, nada precisava ser modificado. O líder era o detentor do saber e da palavra. A equipe apenas executava.

Atualmente, no mundo digital, tudo é imprevisível, dinâmico e ágil, porque existe a troca de informação. A era digital trouxe, segundo ele, um novo mindset - nova forma de pensar e encarar o contexto. Tripulação e líderes precisam ter um novo mindset. Devem olhar muito mais para o contexto do que ao processo. A empresa que foca no processo geralmente alcança a eficiência. Mas quando vem algo externo, como um concorrente, por exemplo, acaba perdendo o rumo. A organização que aposta no contexto, quando o líder estimula a participação de sua equipe, tem mais mecanismos de adaptação, porque tem seu olhar voltado para as pessoas, e pode ousar experimentar novos processos. Pode explorar novas ideias e habilidades.

Conforme o palestrante, no barco ou na empresa, tudo é uma questão de equilíbrio. "O pessimista reclama do vento, o otimista espera que o vento mude, o líder ajusta as velas." Velejar, para ele, significa chegar ao destino e aproveitar o caminho. "O caminho do sucesso não é uma linha reta, é um caminho tortuoso. Tem que se reinventar."

 

Saiba Mais

Cássio do Canto é velejador desde os 11 anos e atleta da seleção brasileira juvenil entre 2004 e 2006. Desde 2012 é coordenador da equipe brasileira de vela juvenil, desenvolvendo atletas para os próximos ciclos olímpicos. Foi membro do comitê técnico das competições da Vela na RIO2016. Formado em Administração pela Ufrgs, com especialização em Liderança e Gestão de Equipes na Hyper Island (Suécia) e Design de Aprendizagem na Kaos Pilot (Dinamarca). É mentor de startups e diretor do Ciclo Empreendedor, grupo de desenvolvimento de jovens empreendedores em Porto Alegre. Membro do Global Shapers Community, rede de jovens lideranças globais do Fórum Econômico Mundial. É fundador e facilitador da PrimeSail, empresa de desenvolvimento de equipes e lideranças com sedes em POA, SP e RJ, desenvolvendo mais de 4,5 mil pessoas de empresas como SAP, Roche, Globo, entre outras.

Comentários

VEJA TAMBÉM...