Economia

Índice de inadimplência da região é o menor do RS

Vale do Taquari apresentou percentual de 9,6 em outubro. Fatores econômicos e culturais explicam desempenho local

Créditos: Camila Pires

Vale do Taquari - Estar com crédito disponível no mercado, ainda mais nesta época, é o objetivo de muitas pessoas. Embora alguns consumidores do Vale do Taquari não tenham pago suas dívidas em dia, a região é a que tem o menor índice de inadimplência do Rio Grande do Sul. Em outubro deste ano, fechou em 9,6% - segundo levantamento da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) Porto Alegre.
O economista da entidade, Victor Sant'Ana, explica que a cada cem pessoas, consultadas no banco de dados do Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC) em algum estabelecimento comercial em julho deste ano, 9,6, em média, se tornaram inadimplentes três meses depois do ato da compra. O presidente da Associação Gaúcha para o Desenvolvimento do Varejo (AGV), Vilson Noer, entende que o desempenho do Vale do Taquari está relacionado a fatores econômicos e culturais.
"Regiões com uma atividade econômica mais mista, não tão dependente de só um setor, contribuem muito na questão da melhor renda. E o Vale do Taquari tem uma capacidade bastante diversificada, uma boa riqueza por meio dos setores do agronegócio, industrial, de comércio e serviços". A outra questão se refere à população, que tem entre suas características a pontualidade nos pagamentos e o compromisso com os negócios. A boa gestão das empresas, principalmente no cuidado com a construção do crédito, completa o rol de fatores elencados por Noer.

Por que ter o "nome limpo"?
A diretora executiva da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) Lajeado, Soraide Graf, destaca que estar em dia com os compromissos financeiros significa ter uma série de vantagens no mercado. "Quando o consumidor precisa de crédito, por exemplo, seja para adquirir bens ou serviços, um cartão de crédito, abrir uma conta bancária, solicitar um empréstimo ou financiamento, é feito um procedimento chamado análise de crédito. Trata-se de uma verificação por completo do seu histórico como consumidor", explica Soraide. Neste momento, é fundamental que a pessoa não esteja com nenhuma pendência.
De acordo com a diretora executiva da CDL Lajeado, as pessoas se tornam inadimplentes por diversos motivos. "Pesquisas comprovam que a maioria das inclusões no banco de dados do SCPC se deve à falta de um planejamento financeiro adequado ou problema semelhante, doença ou desemprego", compartilha.
Para "limpar o nome" e regularizar o CPF e CNPJ, no caso de pessoas jurídicas, é preciso pagar a dívida atrasada na própria empresa. É um colaborador do empreendimento quem comunica esta informação ao SCPC. Após este procedimento, o registro como inadimplente é cancelado. Nas empresas locais, em geral, isso é feito em até 48 horas.

Regiões e índice de inadimplência* (outubro de 2015):

1 - Centro Ocidental Rio-Grandense: 12,4%
2 - Centro Oriental Rio-Grandense (inclui o Vale do Taquari): 9,6% 
3 - Região Metropolitana de Porto Alegre: 13,8%
4 - Nordeste Rio-Grandense: 11,2%
5 - Noroeste Rio-Grandense: 13,6%
6 - Sudeste Rio-Grandense: 11,3%
7 - Sudoeste Rio-Grandense: 12,1%
Média do Estado: 12,7%

*Fonte Associação Gaúcha para o Desenvolvimento do Varejo




Comments

SEE ALSO ...