Economia

Maioria dos municípios do Vale fecha o ano com saldo em caixa

Destaque para Teutônia, com superávit de R$ 2,5 milhões

Créditos: Luciane Eschberger Ferreira
Teutônia entra 2019 com dinheiro em caixa - Edson Luis Schaeffer/divulgação

Vale do Taquari - Dos 38 municípios da região, 28 encerram o exercício 2018 no azul e nove com caixa zerado, mas com todos os pagamentos em dia. Apenas Muçum deve terminar o período no vermelho. "Foi o pior dos últimos seis anos", observa o prefeito Lourival de Seixas, que está em seu segundo mandato. Seixas destaca que buscou cortar gastos, mas o custeio aumentou muito - como despesas com energia elétrica e combustível.

Entre os motivos do aperto, segundo os administradores, estão a diminuição e o atraso no repasse de verbas por parte do Estado e da União. Roca Sales, por exemplo, tem a receber R$ 512 mil e precisou mexer nas contas para subsidiar a saúde. Além dos 15% previstos no Orçamento, ainda investiu R$ 2 milhões, informa o secretário da Fazenda, Lauri Dentee.

Em Bom Retiro do Sul, o prefeito Edmilson Busatto assinou dois decretos no último dia 18, com o objetivo de conter gastos e fechar o ano no azul. O motivo é o mesmo que preocupa Roca Sales: os repasses dos recursos federais e estaduais não estão se confirmando.

O primeiro decreto - 83/2018 - estabelece medidas de contenção de gastos, entre elas: suspensão da emissão de qualquer ordem de serviço ressalvadas as decorrentes de convênios já assinados e que tenham recursos alocados; institui o controle de utilização da frota oficial de veículos pelas secretarias municipais; redução dos gastos com diárias de viagem; suspensão, por tempo indeterminado, de todo e qualquer evento que importe em realização de despesa para o erário municipal, exceto os que estejam previstos no calendário oficial; e veda a realização de horas-extras a todo o quadro de servidores municipais. O segundo - 84/2018 - estabelece o início do turno único de trabalho, das 7h às 13h, a partir de 22 de outubro, para todas as secretarias e coordenadorias da prefeitura, com exceção da Saúde e Educação. "Estamos tomando as medidas necessárias para não fechar no vermelho", justifica o secretário da Fazenda, Jorge Franz.

Caixa cheio
Teutônia apresenta uma realidade diferente da maioria das cidades da região. Conforme o chefe de gabinete Marcos Aurélio Borges de Quadros, o exercício 2018 vai terminar com R$ 2,5 milhões em caixa. Ele destaca que, este ano, a prefeitura fez diversas obras e investiu no quadro de pessoal, com aumento de padrão salarial para os cargos de atendente de farmácia, técnico em enfermagem e monitoras de Educação Infantil. Não há fórmula mágica para manter as contas no azul e ainda investir. Segundo Quadros, o que garante a posição de Teutônia é a arrecadação própria, fruto da economia próspera da cidade, e a não dependência de recursos estaduais e federais. "Geralmente, boa parte do Orçamento dos municípios pequenos provém de verbas estaduais e federais."

Estabilidade
A Prefeitura de Lajeado vai encerrar o ano com saldo positivo e todas as contas em dia. Conforme o secretário da Fazenda, Guilherme Cé, a estabilidade se deve ao planejamento e medidas adotadas no início do governo, em janeiro de 2017. O número de secretarias, por exemplo, baixou de 14 para 11. Também houve corte no quadro de cargos comissionados. A intenção da gestão era investir com recursos próprios. Cé cita a construção da escola de Educação Infantil no Bairro Santo Antônio, que está sendo viabilizada com valores de 2017. Este ano, também devem sobrar recursos. As estratégias adotadas por Lajeado descartam o turno único nas repartições públicas. "Entendemos que dará mais prejuízos à população reduzir o horário de atendimento do que economia ao município."

Outras 25 cidades do Vale também optaram por manter o expediente normal. Seis ainda estudam a possibilidade de adotar turno único. Cruzeiro do Sul e Relvado aplicarão somente para a Secretaria de Obras, e Poço das Antas apenas nas sextas-feiras. Paverama e Bom Retiro do Sul já estão com horário reduzido. Tabaí deve adotar no período de 15 de novembro a 15 de fevereiro, com o intuito de fazer economia.

Lajeado, assim como outros 19 municípios, antecipou a primeira parcela do 13º salário dos servidores. Na região, 17 vão pagar o benefício em parcela única, em dezembro. Nova Bréscia ainda não definiu como efetuará o depósito ao quadro público.

Confira reportagem completa na edição impressa.

Comentários

VEJA TAMBÉM...