Esporte

Colorado é coração

Conheça a história do torcedor do Inter que esteve no Beira-Rio no último título brasileiro da equipe

Créditos: Guilherme Rossini
MUNDO VERMELHO: do carro à casa, o torcedor de Teutônia fez de sua casa um memorial do Colorado - Lidiane Mallmann

Lajeado - Dia 18 de setembro de 1949. Essa é a data do nascimento de mais um Colorado. Porém, neste caso, não é um, mas sim, o Colorado. Não há como medir a paixão de um torcedor, mas, com toda a certeza, a de Ilvo Hemsing pelo Sport Club Internacional é imensurável. Casa, carro, piscina, quiosque e até na pele. O morador de Teutônia tem marcas do clube de seu coração em todos esses lugares. Ele é um dos felizardos que teve a oportunidade de comemorar o último título do Campeonato Brasileiro do Internacional, em 1979.
Há 40 anos, Hemsing presenciou, dentro do Beira-Rio, a vitória colorada por 2 a 1 sobre o Vasco da Gama, que conferiu o tricampeonato nacional ao time gaúcho. Com gols de Jair e do ídolo Falcão, o Inter sagrou-se Campeão Brasileiro pela última vez. "Fui de ônibus para o estádio em Porto Alegre. Me lembro da vibração da torcida, e de sair da arquibancada ao final do jogo. Foi muita alegria, muita emoção nas ruas da capital. Eu me emociono até hoje ao lembrar", diz
No entanto, na primeira partida da final, disputada no Rio de Janeiro, o torcedor foi só apreensão, pois não teve a oportunidade de assistir o jogo. "Ouvi pelo rádio a partida, pois não era tão simples de ver os jogos como é hoje. A gente fica ansioso, mas na época estava acostumado. Os dois gols do Chico Spina nos deram a certeza que o tri viria em Porto Alegre", enfatiza Hemsing.

Amor pelo Internacional

O amor e a paixão de Ilvo Hemsing pelo Clube do Povo tiveram início, segundo ele, em 1949. Tanto que, diante do grande número de representações de seu fanatismo pelo clube, desde sua sala de estar ser praticamente um memorial da equipe, até um fusca vermelho, com fotos dos jogadores e troféus, ele tem outdoors no pátio de sua casa, em homenagem ao Inter. Em um deles, a seguinte frase está escrita  - "Obrigado Jesus, por eu ter nascido colorado". Sua paixão é tão grande, que há um quiosque em sua casa, todo pintado de vermelho e branco, com frases em homenagem à instituição. Na piscina, o que chama a atenção é o escudo do clube no piso, além da pintura do resto de sua residência, com decorações também em vermelho e branco. 

Não se vive só de títulos

Na sala de estar da casa de Ilvo Hemsing em Teutônia, são inúmeros quadros com fotos da tradicional formação quando a equipe é campeã. Porém, o torcedor não é aficionado somente pelo futebol do Internacional, pois há imagens de equipes de futsal campeãs pela instituição. No entanto, os ídolos de Hemsing tem um lugar especial na parede da casa do colorado fanático. Manga, Claudiomiro, Dunga e Falcão estão entre os jogadores celebrados em diversos quadros. "Questionado se ele já havia falado com Falcão, um dos maiores jogadores da história do Internacional, ele respondeu da seguinte forma. "Com o Falcão eu já conversei como a gente está conversando agora. Falei com ele quando era jogador, treinador, dirigente e torcedor. É uma pessoa muito simples. Posso dizer que é uma conversa de amigo sempre que falo com ele", diz.
Além das fotos, Ilvo Hemsing tem diversos itens 'comemorativos' do Inter. Desde a primeira pedra do Estádio dos Eucaliptos, a primeira casa colorada, até a representação do primeiro tijolo do Beira-Rio, medalhas do título de 2006 da Copa Libertadores da América e do Mundial de Clubes, muito comemorado pelo torcedor. "Tá vendo aquela foto enorme da parede? É do jogador que acabou com a carreira do Ronaldinho Gaúcho, quando o Inter venceu o Barcelona", explica, apontando para um quadro com a imagem de Ceará, ex-lateral do Internacional que marcou o camisa 10 brasileiro na final do Mundial de Clubes, quando a equipe se sagrou campeã. 
Além de todos os acessórios, Ilvo Hemsing também possui uma grande coleção de camisas. Desde compradas, recebidas de presente, homenagem ou comemorativas. Mas tem uma delas que, para o fanático colorado, é a mais importante. "Essa camisa quem me deu foi o técnico Abel Braga, em 2006, após o título mundial. Têm camisas importantes aqui, mas nada se compara a essa. É única. O dinheiro na vida é importante, mas nada compra coisas como essa", enfatiza.

Alma vermelha e colorada

Em uma das paredes do quiosque de sua casa, Ilvo Hemsing tem uma série de frases da torcida colorada que, para ele, é um mantra em sua vida como torcedor. "Vermelho é sangue; Vermelho é paixão; Vermelho é sinônimo de vitórias; Vermelho é a cor do nosso Colorado, campeão de tudo", lê o torcedor, explicando que essa é a alma colorada. 
Para ele, não há separações entre sua vida como Colorado e o modo que vive com sua família, que, segundo explica, tudo faz parte de algo maior. O que leva de mais importante de tudo o que já fez pelo Inter é a certeza de que não importa o que aconteça, a intenção dele é só apoiar o clube. "Não entendo os torcedores que reclamam e vaiam os jogadores. Você vaia a sua mãe ou seu filho? Pois é. Você dá apoio e assim ele melhora. Eu acho que o melhor modo de torcer é assim, dando força para que a vitória sempre chegue ao final dos 90 minutos."

Comments

SEE ALSO ...