Geral

Agricultores participam de segunda edição do projeto Noite de Campo

Atividade ocorreu na propriedade de Miri Achebrock em Linha Capivara

Créditos: Da Redação
APRENDIZADO: agricultores puderam participar da capacitação fora do horário de trabalho - Tiago Bald/Emater/RS-Ascar/divulgação

Teutônia - Um grupo de cerca de 50 agricultores participaram, na quarta-feira, da segunda edição da Noite de Campo realizada na propriedade de Miri Achebrock, junto ao campo do Guarani, na localidade de Linha Capivara, em Teutônia. A atividade _ organizada pela Emater/RS-Ascar, Cooperativa Languiru, KWS Sementes e Riber Sementes _ contou com três estações de trabalho em que foram abordados temas, como híbridos de milho e cultivares das empresas participantes e importância do conforto animal na bovinocultura leiteira.
À Emater/RS-Ascar coube uma estação sobre tecnologia de aplicação de produtos fitossanitários em milho e soja. Nela, o extensionista Michael da Silva Serpa salientou a importância de se observar as condições climáticas, o tipo de produto a ser aplicado e qual será o alvo. "Dessa forma também conseguimos definir o tipo de bico a ser utilizado no equipamento, bem como o tamanho da gota a ser distribuída na planta, já que há diferenças entre herbicidas, fungicidas e inseticidas", destaca. "Isso reduzirá o desperdício, aumentará a economia e a produtividade", completa.
O agricultor Luiz Frederico Hergemöller, da localidade de Boa Vista, Teutônia, recebe assistência técnica da Emater/RS-Ascar por meio do programa de Manejo Integrado de Pragas e Perdas na Colheita (MIP) que visa a promoção e a utilização mais racional dos agroquímicos, com a intenção de reduzir os custos de produção e diminuir as contaminações não apenas do meio ambiente, mas também dos próprios agricultores. "O trabalho ainda está no começo, está sendo realizado em uma pequena área da propriedade, mas há boa expectativa no que diz respeito a redução de perdas", acredita.
Na propriedade de Hergemöller são plantados cerca de 90 hectares de soja em que colhe cerca de 60 sacos do produto, por hectare. "O monitoramento, além de representar uma possível redução no número de aplicações, também resultará em redução de perdas", espera o agricultor. Sobre os dias de campo promovidos pela Emater/RS-Ascar e pelas empresas parceiras, afirma que participa de todas. "A gente sempre aprende alguma coisa", avalia. "E no turno da noite, o clima é bem melhor", sorri.
Sobre este fato, Serpa destaca que o objetivo de se fazer uma "Noite de Campo" foi o de atrair mais produtores já que, em muitos casos, os turnos da manhã e da tarde são utilizados para a realização das atividades nas propriedades. "Fora o fato de que, no verão, como já aconteceu recentemente as temperaturas podem facilmente ultrapassar os 35 graus, o que pelo calor excessivo, pode comprometer a qualidade do evento", frisa o extensionista. O evento foi também prestigiado pelo assistente técnico regional de Sistema de Produção Animal da Emater/RS-Ascar, Martin Schmachtenberg.

Comentários

VEJA TAMBÉM...