Geral

Agricultores semeiam a cultura da produção orgânica

Mais de 100 pessoas compartilharam experiências no Encontro de Sementes Crioulas

Créditos: Assessoria de Imprensa de Arroio do Meio
Em sua 12ª edição, evento proporciona troca de sementes crioulas para perpetuar manutenção das variedades disponíveis - Cristiano Duarte

ARROIO DO MEIO | Sementes de urucum, couve-flor, açafrão, moringa, hibisco, milho e chuchu. Essas eram algumas variedades que estavam à disposição dos produtores da região para serem compartilhadas em suas propriedades durante a 12ª edição do Encontro de Semestre Crioulas de Arroio do Meio, na tarde de ontem, no Salão de Festas da Paróquia da Igreja Nossa Senhora do Perpétuo Socorro.

Participante desde a primeira edição, a agricultora Lucila Maria (58) conta que a todo ano vê vizinhos e vizinhas trocando sementes de produtos orgânicos e, no ano seguinte, compartilham as mesmas mudas que antes não haviam em suas propriedades.

"É uma maneira de perpetuarmos o cultivo das sementes orgânicas, sem agrotóxicos. Isso faz com que multipliquemos tanto a cultura deste tipo de produção quanto a qualidade das produções", conta a produtora.

Emocionada, a produtora Joceli Camargo (34), de Santa Clara do Sul, enfatizou aos demais participantes a importância de preservar a cultura da produção orgânica. "Se você aplica veneno em algo, você mata tudo que é de bom para a terra. É preciso muito amor e garra pelo que fazemos, pois é importante para a vida das pessoas. Sabemos que tudo que as pessoas compram em nossas feiras veio de nossas terras e foi produzido por nossas mãos", salienta.

Em Arroio do Meio, parte das licitações dos alimentos escolares exigem que os produtos sejam orgânicos. Um dos fornecedores de morango, beterraba e alface para a merenda, o produtor Marcos Kappler (30) falou para o público sobre os benefícios do evento não só para os produtores compartilharem suas experiências, mas de como a produção orgânica impacta a vida dos consumidores.

"A saúde das pessoas está em questão. Elas precisam cada vez mais de alimentos orgânicos. Nossa produção deve de ser a prioridade em suas mesas."

A atividade integrou Semana Brasileira do Alimento Orgânico e contou com debate, troca e partilha de sementes, homenagens aos agricultores e degustação de alimentos produzidos a partir de cultivos crioulos.

 

Tradição

O engenheiro agrônomo da Emater/RS-Ascar, André Müller, destacou como o resgate e as perspectivas de uso das sementes crioulas contribuem para a preservação da cultura orgânica. "Eles trazem diferentes variedades para compartilharem. É essa multiplicação que possibilita a manutenção das variedades disponíveis", explica.

A extensionista rural da Emater de Lajeado, Andresa Girelli, diz que além de trocarem sementes presentes em suas propriedades há o compartilhamento de experiências que ocorre nas edições do evento. "Os agricultores falam sobre o que tem dado certo em suas propriedades e modos de produção que aplicam para cada item. Isso acaba servindo de estímulo para aqueles que andam desanimados por algum motivo com suas produções", conta.

Mais de 100 pessoas prestigiaram o evento promovido pela Emater, Secretaria Municipal de Agricultura, Departamento do Meio Ambiente, Sindicato dos Trabalhadores Rurais (STR), Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, Associação Ecobé, Comissão Pastoral da Terra, Grupo dos Agricultores Ecologistas da Forqueta e Igreja Evangélica de Confissão Luterana do Brasil (IECLB). O evento também contou com apoio da Articulação em Agroecologia do Vale do Taquari (AAVT).

 

Encontro promoveu trocas de sementes crioulas e experiências em produção de orgânicos entre mais de 100 agricultores da região (Cristiano Cuarte)

Comments

SEE ALSO ...