Geral

Centenário da Emef Dom Pedro I é comemorado com homenagens

Escola localizada no Bairro Jardim do Cedro abriu os portões para a comunidade na tarde de sábado

Créditos: Jean Peixoto
LOTADO: as comemorações dos 100 anos reuniram toda a comunidade para celebrar a história do Dom Pedro I - Jean Peixoto

Lajeado - "Dom Pedro I. 100 anos de educação. Escola linda, cheia de vida. Guardo no meu coração." Assim cantaram os alunos do 4º ano B, na tarde de sábado, ao apresentarem o jingle alusivo aos 100 anos da maior escola da rede municipal de Lajeado - a Emef Dom Pedro I. Centenas de pessoas lotaram o pátio e corredores do colégio para prestigiar as apresentações dos estudantes, as homenagens aos alunos mais antigos e a divulgação dos resultados dos concursos Gatinho e Gatinha do Centenário.

A diretora Adriana Conceição Huber, responsável pela abertura das atividades, esbanjava alegria e emoção. "Me sinto muito orgulhosa e feliz. Ser a responsável pela escola nesse aniversário de 100 anos é uma responsabilidade que eu carrego com muito carinho." Adriana agradeceu a participação dos pais de alunos que atuaram ativamente na organização. "O bolo dos 100 anos foi uma doação dos pais", conta. Emocionada, a diretora aponta que no aniversário de 200 anos, talvez seja a foto dela e da sua equipe de educadores que estará exposta no memorial. Ela aproveita o momento e deixa uma mensagem para a posteridade. "Eu gostaria de lembrar que nós, educadores, trabalhamos para ensinar nossos alunos que é possível sonhar com um futuro melhor mesmo no mundo conturbado em que vivemos hoje."

A secretária de Educação de Lajeado, Vera Plein, parabenizou a escola pelo centenário e ressaltou as melhorias implementadas pela prefeitura nos últimos anos. "Em 2008, a escola ganhou um novo prédio. Em 2018, foi agraciada com o Acervo Histórico". Lembra também que a escola foi local de trabalho do professor Theobaldo Dick, que dá nome ao principal parque do município. Na sequência, o pastor Luís, o ministro Clácio, e a pastora e ex-professora Adriana fizeram leituras religiosas e rogaram por bênçãos ao colégio.

A coordenadora pedagógica Vera Lúcia Kaufmann ressaltou o crescimento da Dom Pedro I nos últimos anos. Natural de Sério, há mais de 30 anos se tornou lajeadense. Vera já atua na escola há 12 anos, destes, três foram como professora e nove como coordenadora. "A Dom Pedro mudou muito nesses 12 anos. Quando cheguei, eram 300 alunos. Hoje, já são 660", destaca.


Tradição

Instrutora do Grupo de Danças Folclóricas Alemãs (GDFA) Frülingstanz - em português, dança da primavera - há 27 anos, Vânia Purper Worm tem uma relação afetiva muito forte com a escola. "O grupo surgiu na primavera de 1992, por isso recebeu esse nome. Foi bem na época dos desfiles dos 100 anos de Lajeado , lembra." O grupo de danças hoje conta com 24 integrantes, do 2º ao 8º ano. "Minha mãe Herta Purper, que teria 92 anos se estivesse viva, foi estudante da escola. Meu pai Ortmar Purper também estudou." Ela recorda que eles foram alunos do professor Theobaldo Dick e lhe contaram que havia uma disputa entre os alunos para decidir quem iria cuidar do cavalo branco no qual o mestre chegava montado para dar aulas.


Família centenária

O concurso família centenária foi lançado com o objetivo de reunir os alunos remanescentes dos primórdios da Dom Pedro I. As vencedoras foram Lorena Dellbrugge Dörr, de 82 anos, e Elisa Ivone Auler, que completa 90 anos em 25 de junho. Aluna da escola na década de 1950, Lorena lembra do caminho até a escola onde parava com as irmãs para colher bergamotas. "Eu ia para a escola caminhando descalça. Eu sempre gostei de ler". Ela lembra que todos os irmãos estudaram na escola. Natural de Lajeado, Elisa recorda que estudou no colégio da 1ª a 5ª série do Fundamental. "Meus três filhos e três netos também estudaram aqui", comenta.


Sobre a Emef Dom Pedro I

Localizada na Rua Henrique Stein Filho, 1060, Bairro Jardim do Cedro, a Emef Dom Pedro I, inicialmente, se chamava Deutsch Evangelische Schule - na tradução, Escola Evangélica Alemã. A história da escola iniciou com a Sociedade Escolar São Bento do Sul, com sede em São Bento do Sul, em Lajeado. A escola particular ou Evangélica da Picada São Bento foi fundada em 25 de maio de 1919, quando por convocação de Fritz Beineke, se realizou uma reunião que culminou com a fundação da sociedade escolar localizada entre o Conservas e São Bento, atual Jardim do Cedro. O objetivo era oferecer condições de estudo para seus filhos, pois as escolas existentes ficavam distante dos referidos bairros e eram de difícil acesso por não existirem estradas abertas e transporte público.

 

 

Comments

SEE ALSO ...