Geral

Certel está com projeto para nova hidrelétrica

As PCHs são exemplo de energia limpa e renovável


- Certel Energia/divulgação

VALE DO TAQUARI | Na última semana ocorreu, em Porto Alegre, um encontro para tratar sobre mudanças necessárias e possíveis investimentos em pequenas centrais hidrelétricas (PCHs). O Rio Grande do Sul foi o primeiro Estado a receber a visita de representantes do Ministério de Minas e Energia. E a região tem interesse no assunto, haja vista que a Certel Energia está com novo projeto em andamento, no aguardo de licenciamento ambiental.

Também estiveram presentes o secretário de Meio Ambiente e Infraestrutura, Artur Lemos Júnior, o secretário adjunto de Minas e Energia, Hélvio Neves Guerra, a Federação das Cooperativas de Energia do Rio Grande do Sul, a presidente da Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam), Marjorie Kauffmann, e representantes do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

Engenheiro da Certel Energia, Júlio César Salecker, relata que a Certel Energia esteve presente no encontro e participou do debate a respeito do atraso que o Rio Grande do Sul enfrenta em relação a outros estados, especialmente, na questão do licenciamento ambiental de hidrelétricas.

Ele explica que há, desde o final de 2018, um novo regramento para hidrelétricas, no entanto até o momento os efeitos para agilizar o licenciamento não foram alcançados. Para Salecker, o Rio Grande do Sul está na contramão dos demais estados, uma vez que as pequenas hidrelétricas acarretam inúmeros benefícios.

Resultados

O engenheiro ressalta que esses empreendimentos têm um impacto ambiental e social muito menor, se comparado às grandes hidrelétricas, além de reduzir as perdas do sistema de eletricidade da nação e proporcionarem um maior domínio sobre a energia. "Nós da Certel, somos um grande exemplo, até mesmo para a nação, de ter o uso de pequenas hidrelétricas na matriz de geração de energia, o que nos dá muito mais confiabilidade no que estamos gerando", salienta.

Outro ponto positivo, de acordo com Salecker, é o fato de não ficar suscetível a desligamentos do sistema, que está interligado ao nacional, e, com isso, oportunizar tarefas mais baixas aos associados. "Hoje a Certel consegue distribuir uma energia em torno de 33% mais barata aos seus associados, também por ter usinas hidrelétricas próprias", destaca.
Salecker diz que com a descentralização de grandes fontes é possível fazer com que a energia fique mais próxima dos centros de consumo e, assim, é possível administrá-la mais localmente.

DETALHE

As PCHs são empreendimentos com capacidade de geração de energia entre cinco e 30 megawatts (MW). Segundo a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), atualmente, o país tem 425 PCHs em operação. Dessas, 50 ficam em território gaúcho.

Comments

SEE ALSO ...