Geral

Rede de diagnóstico precoce coloca o Vale em primeiro no RS

SAE Lajeado e unidades de saúde superam grandes centros como Porto Alegre e Caxias do Sul em testes rápidos de infecções sexualmente transmissíveis

Créditos: Rita de Cássia
Testes rápidos: diagnóstico precoce associado a tratamento ajuda a prevenir transmissão de doenças - Lidiane Mallmann

Lajeado - O Serviço de Assistência Especializada em IST/Aids - SAE Lajeado e as unidades de saúde do município realizam o maior número de testes rápidos - HIV, sífilis e hepatites - na área de abrangência da 16ª Coordenadoria Regional da Saúde e colocam o Vale do Taquari em primeiro lugar no Rio Grande do Sul. Os dados são fornecidos pela regional para a seção estadual, composta por 19 coordenadorias de Saúde. Entre janeiro e agosto deste ano, foram realizados 13 mil testes de HIV nos 37 municípios atendidos pela 16ª CRS. Destes, 5.946 referentes à testagem realizada pelo município de Lajeado, totalizando 45%. A região supera inclusive grandes centros como Porto Alegre e Caxias do Sul. O cálculo é feito a partir do número de habitantes.

A quantidade de testagens é bastante relevante, levando-se em consideração que o Estado apresenta alto índice de transmissão, ficando atrás apenas do Amazonas. Por isso, a importância de promover os diagnósticos precoces. Quanto antes iniciado o tratamento, melhores serão os resultados, qualidade de vida, e assim também diminui-se o risco de transmissão. O SAE tem hoje 1587 cadastrados - 870 homens e 717 mulheres. Destes, 897 são de Lajeado. São pessoas que estão em tratamento ou em algum momento procuraram o serviço.

Testes rápidos 

Conforme a coordenadora do SAE, Waldirene Bedinoto, as equipes fazem visitas frequentes em locais de prostituição, boates e nas ruas, para abordagem e testes rápidos. Muitos também procuram diretamente a sede do SAE - Rua Alberto Torres, 560, Centro - ou os postos. Mas, em geral, a população ainda não sabe que este tipo de exame é oferecido nas unidades de saúde. "As unidades têm um papel muito importante no diagnóstico. As equipes também são treinadas para isso, pois todo um cuidado com o armazenamento do material, afinal são diagnósticos de grande impacto na vida das pessoas. É preciso compromisso com a execução e com o laudo. A Aids é uma doença crônica, que existe um tratamento e que evoluiu muito, mas que não tem cura e que pode trazer sequelas", explica.

Prevenção 

 

A partir de 1º de dezembro, o SAE Lajeado passa a oferecer a Profilaxia Pré-Exposição (PREP), com a distribuição do medicamento Truvada. Antes, isso só era realizado em Porto Alegre, que a faz desde o ano passado. Em geral, somente municípios com maior população oferecem o serviço. Do interior do RS, Lajeado será um dos primeiros, graças ao grande número de testes rápidos realizados na cidade e região - vários municípios do Vale recebem apoio do SAE Lajeado.

A Profilaxia Pré-Exposição é voltada para pessoas negativas para o HIV, mas que fazem parte de um grupo de maior vulnerabilidade: casais em que um é soropositivo e o outro, soronegativo; homossexuais; travestis e trabalhadores do sexo. "Primeiramente, o Ministério da Saúde vai focar na distribuição para esse público-alvo bem específico. Tem todo um protocolo de rotina de atendimento, de consultas e exames que tivemos que aceitar e que vamos realizar, além de receber um treinamento para isso", explica a coordenadora do SAE, Waldirene Bedinoto. A medicação para esse programa específico chama-se Truvada - que possui os componentes tenofovir e emtricitabina, ministrada com um comprimido ao dia para prevenção à Aids. "Vários países já fazem uso da profilaxia. Ela vem com todo um leque de opções de prevenção, porque precisamos diminuir a transmissão", destaca.

Waldirene também explica que, desde 2012, inicia-se o tratamento já a partir do diagnóstico. Não espera-se mais a pessoa adoecer, pois a probabilidade de transmissão é muito menor se houver uma carga viral zerada ou indetectável. Tão importante quanto a medicação é o uso do preservativo - porque também previne as outras infecções sexualmente transmissíveis. "Isso tudo forma uma mandala de prevenção. Temos que pensar que algumas pessoas não conseguem se adequar a uma única opção de cuidado, por isso, disponibiliza-se outras formas para tentar diminuir a transmissão do HIV", afirma.

União de esforços 

O serviço do SAE é oferecido pela Secretaria da Saúde de Lajeado, com recursos municipais, estaduais e federais. Para o titular da pasta Tovar Musskopf, o fato de Lajeado ser um dos municípios que mais faz testes rápidos mostra que a gestão está preocupada com o diagnóstico precoce de HIV, Sífilis e Hepatites - para que se possa fazer o tratamento dessas doenças, prevenir que outras pessoas se contaminem através da relação sexual, e que a gente possa quebrar essa transmissão", afirma. Todos os postos de saúde são orientados a realizarem os testes rápidos, além disso, nos eventos realizados no Centro da cidade, os testes são disponibilizados para todos que tiverem interesse - e não somente lajeadenses. "Também auxiliamos os municípios que não tem o serviço, para realizarem ações de saúde. Entregamos os medicamentos enviados pelo Ministério da Saúde para a região e treinamos as pessoas quando solicitado pelas cidades menores. Tudo para que o atendimento e diagnóstico seja feito em rede e em todas as cidades do Vale do Taquari", afirma Musskof.

O titular da 16ª Coordenadoria Regional de Saúde (CRS), Ramon Zuchetti acredita que esse grande número de testes rápidos, deve-se ao excelente trabalho desenvolvido pelas equipes de saúde. Não se conquista primeiro lugar facilmente, principalmente na área de saúde. É o resultado da dedicação de uma equipe que tem conhecimento e que sabe que a prevenção é sempre o melhor remédio. Quando identifica-se precocemente uma situação, a chance de cura ou tratamento mais efetivo é amplamente maior", explica Zuchetti.

Comments

SEE ALSO ...