Geral

Saúde libera remédio que reduz risco de contaminação pelo HIV

Serviço será realizado, inicialmente, na Capital, mas pacientes do Vale poderão ser encaminhados

Créditos: Carolina Schmidt
SAÚDE: Truvada será utilizado para pessoas que estão no grupo considerado de risco - Divulgação/SES

Lajeado - O Rio Grande do Sul é o primeiro estado a receber o medicamento para a prevenção do HIV. O Truvada será distribuído por meio do Sistema Único de Saúde (SUS) para o grupo considerado de risco para a exposição do vírus: gays, travestis, transexuais, transgêneros, profissionais do sexo e casais sorodiferentes (quando um dos parceiros é soropositivo e o outro, não).

A primeira distribuição do medicamento foi realizada no Centro de Testagem e Aconselhamento (CTA) do Hospital Sanatório Partenon, em Porto Alegre, no começo do mês, a um morador da capital. O remédio precisa ser tomado todos os dias e reduz o risco de contaminação em até 90%.

De acordo com a coordenadora do Serviço de Atendimento Especializado (SAE), de Lajeado, Waldirene Bedinoto, o tratamento está disponível, no momento, apenas, em Porto Alegre. Portanto, não há previsão para a novidade chegar no município e nas demais cidades do interior.

No entanto, as pessoas que se enquadrarem no grupo prioritário, em Lajeado, serão encaminhadas para a capital gaúcha. " Já encaminhamos uma pessoa para Porto Alegre que será monitorada e receberá o medicamento pela equipe de lá. Sabemos que são profissionais criteriosos e cuidadosos para trabalharem com esse serviço."

Mesmo com o avanço, Waldirene destaca que a prevenção com o uso do preservativo não pode ser deixada de lado. "Tudo que vem para melhorar a qualidade de vida do paciente é válido, mas prevenir é sempre necessário. Todas as pessoas que têm relação sem proteção estão em risco potencial. Hoje, a Aids é uma doença de todos e não escolhe cor, classe social ou religião. Ninguém está blindado contra a doença."

Na opinião do secretário municipal de Saúde, Tovar Musskopf, o novo medicamento é um grande avanço para as pessoas que estão conscientes dos riscos do HIV. "Sabemos que o HIV é o vírus e que a doença provocada é a Aids. Por isso, tomar os cuidados necessários disponíveis para a prevenção é essencial. É um conjunto de fatores que somente traz benefícios. Quando as pessoas se previnem, estão conscientes de que não estão livres de serem contaminadas pelo vírus."

Musskopf acredita na cura da Aids. Segundo ele, isso ainda não foi possível, pois o vírus se instala no núcleo da célula e inibe as de defesa.

"Sabemos que muitos profissionais estão em busca da cura da Aids, mas é algo que ainda não existe previsão. Enquanto isso ainda não é possível, a medicina já mostrou avanços com tratamentos que diminuem a carga viral do paciente para a contaminação. O preservativo também é fundamental para se proteger." Conforme o secretário, o Rio Grande do Sul é o primeiro a receber o novo medicamento, pelo fato de estar entre os estados com maior número de casos.

Ação especial
A primeira ação do SAE para a prevenção em 2018 será no carnaval. No dia 24 de fevereiro, no Parque dos Dick, profissionais da saúde irão distribuir preservativos e orientar a comunidade. "A atividade já é rotineira para nós. É um momento de descontração, com informações de responsabilidade." 

Além de ações específicas como nos dias de folia e do Dia Mundial de Luta contra a Aids, em dezembro, o SAE também destaca a prevenção e os testes rápidos. Os exames podem ser feitos em qualquer unidade de saúde e trazem o resultado em 20 minutos.

Números do Rio Grande do Sul
No período de 2007 até junho de 2016, foram identificados 28.879 casos de infecção do HIV na Região Sul e 13.855 no Rio Grande do Sul. No estado, 38,7% dos casos estão em Porto Alegre e Vale do Gravataí; 9,5% no Vale dos Sinos; 8,7% no Vale do Caí e Metropolitana e 8% no Sul do estado.

Fonte: Boletim Epidemiológico do HIV-Aids da Secretaria de Saúde do Rio Grande do Sul

 

Comments

SEE ALSO ...