Internacional

Relatório Acnur: cerca de 65,6 milhões de pessoas foram forçadas a se deslocar em 2016

O número é o maior já registrado pelo relatório


ACNUR: em 2016, 65,6 milhões de pessoas foram forçadas a se deslocar - divulgação

Mundo - Considerado o maior levantamento sobre deslocamentos no mundo, o relatório do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur) revela que em 2016 cerca de 65,6 milhões de pessoas foram forçadas a se deslocar. O número é o maior já registrado. As informações foram divulgadas nesta segunda-feira (19) no novo relatório Acnur Tendências Globais, e mostram que os dados superam os números de 2015, com o aumento de mais de 300 mil pessoas.

De acordo com o relatório, do total da população forçada a se deslocar, cerca de dois terços (6,9 milhões) delas se deslocaram dentro de seus próprios países. As crianças representam a metade do número total dos refugiados de todo o mundo. Conflitos políticos, guerras e perseguições são as principais causas dos deslocamentos.

Segundo o relatório, também aumentou o número de refugiados, alcançando a marca de 22,5 milhões de pessoas. Desse total, 17,2 milhões estão sob a responsabilidade do Acnur e o restante é formado por refugiados palestinos. O conflito na Síria mantém o país como o local de origem do maior número de refugiados (5,5 milhões).



Conforme a Acnur, se não for levada em conta a situação de refugiados palestinos, os afegãos continuam sendo a segunda maior população de refugiados (4,7 milhões) no mundo, seguidos pelos iraquianos (4,2 milhões).

O relatório diz ainda que, em 2016, 2,8 milhões de pessoas pediram formalmente refúgio em outros países. Para o Acnur, os números indicam a necessidade de consolidar mecanismos de proteção para essas pessoas e de suporte para países e comunidades que apoiam refugiados e outras pessoas deslocadas.

Comentários

VEJA TAMBÉM...