Lajeadense

"Nossa gestão irá fazer um grandioso trabalho"

No comando do Lajeadense desde julho, Alexandre Sebben luta contra as contas mas mantém o sonho de colocar o clube num patamar nunca antes alcançado


- Diogo Botti

Lajeado - Aos 43 anos, o pai da Laura e marido da Tatiane, Alexandre Sebben cumpre uma nova função no clube onde adquiriu a maturidade para o futebol. Eleito em chapa única após a saída de Everton Giovanella, em julho, o empresário ainda busca as melhores soluções para recolocar o Lajeadense no caminho das conquistas.


Apostando na base como fator de crescimento para os próximos anos, Sebben planeja criar uma atmosfera nunca antes vivida no Estádio Alviazul e mantém o sonho de ver o clube disputando a elite do futebol nacional até 2026. "Meu sonho é ver Lajeadense x Flamengo", ressalta.


Nesta semana a reportagem do jornal O Informativo do Vale conversou com o mandatário sobre a atual realidade do clube, o planejamento para disputa da Divisão de Acesso, em 2018 e da onde vem a força para acreditar em um futuro brilhante.

Entrevista
O Informativo do Vale - Como a sua história no futebol se junta ao desejo de virar presidente do Lajeadense? Da onde surgiu a ideia/oportunidade de se tornar o mandatário do clube?
Alexandre Sebben - Iniciei minha história de profissional no futebol em 1995. No Lajeadense comecei como preparador físico na comissão técnica comandada pelo Nico Dall'agnol. Na época fui indicado pelo já falecido Biluca.
Há bastante tempo pensava em ser presidente do Lajeadense. Mas isso no ano de 2030, mais ou menos (risos). A presidência caiu no meu colo, depois que o Nilson e o Everton Giovanella, em 2015, reabriram as portas do clube para que eu fizesse a gestão das categorias de base. Em abril desde ano, apresentei ao Conselho Deliberativo do Clube o projeto de gestão das categorias de base que é de responsabilidade da minha empresa, em parceria com a Associação Lajeado de Esportes (ALE). Nesta apresentação, mostrei o que já estamos construindo, e enfatizei a meta de em 2026 jogaríamos a Série A do Campeonato Brasileiro. Meta essa, pautada no conhecimento adquirido ao longo destes anos trabalhando em grandes clubes e também na Seleção Brasileira e voltado para a formação de atletas. Acho que eles compraram a ideia.
Como não havia ninguém mais disposto a assumir o cargo e o fato de que o Conselho comprou a ideia da formação de atletas, e percebendo que já existe um belo trabalho sendo realizado, aqui estou como presidente.

 

O Informativo do Vale - Quais os principais problemas que encontrou ao assumir o Alviazul?
Sebben - Nosso principal problema é a impossibilidade financeira de fazer futebol profissional neste momento.

 

O Informativo do Vale - O que o torcedor pode esperar para 2018? É possível formar um grupo forte para a próxima temporada e recuperar o seu lugar na Primeira Divisão do Estado?
Sebben - Para 2018, Temos quatro frentes de trabalho. Plano A, B, C e D. Independente de qualquer um dos planos que colocaremos em prática, brigaremos pelo acesso. Temos uma bela base formada já, com jogadores que foram protagonistas nesta temporada e pertencem ao clube. Temos o Darlan, Dú, Mano, Josué, Padú, Vitor, Luft, Roger, e outros jogadores que se destacaram no sub-20 no primeiro semestre e também alguns que estão fazendo uma bela competição no Juvenil.
Nossa ideia, é profissionalizar todos os segmentos do clube, estreitar ainda mais a parceria com a Univates, para que o Lajeadense possa ser um grande case para todos estudantes, desde a Educação Física até a Medicina.
Para vencermos dentro de campo, precisamos estar bem estruturados fora dele, em harmonia entre os diretores e o Conselho Deliberativo, que está trabalhando bastante também. Além disso, uma informação que poucos sabem, mas através de um membro do nosso conselho, estamos estreitando ainda mais o relacionamento do clube com a Federação Gaúcha de Futebol.

 

O Informativo do Vale - Que perfil o treinador precisa ter para assumir o Lajeadense em 2018?
Sebben - Trabalhei com mais de 100 técnicos de futebol, muitos preparadores físicos, muitos preparadores de goleiros, muitos gerentes. Aprendi muito, com muita gente. Em cima disto e também pelo conhecimento de alguns diretores desta gestão, iremos escolher um nome.
O perfil, é que saiba trabalhar com jovens atletas, estudioso, que tenha conhecimento e compre a ideia do clube. Que tenha capacidade de dar segmento no trabalho de formação iniciado lá em baixo, nas escolinhas. Porém, este assunto ainda não entrou em pauta pela direção.

 

O Informativo do Vale - O que a experiência conquistada ao rodar pelo futebol nacional trouxe para Alexandre Sebben? De que maneira isso poderá ser colocado em prática para alavancar o Alviazul na sua retomada dentro de campo?
Sebben - Trabalhei com muitos profissionais de altíssimo nível, como Rodrigo Caetano, atual Diretor executivo do Flamengo; Francesco, atual diretor da base do Grêmio; Diego Cabrera e Jorge Andrade atuais gestores da base do Inter; Cícero, Gerente do Palmeiras; Dunga; Osmar Loss, atual auxiliar técnico do Corinthians; Ricardo Cobalchini, técnico do time B do Inter; André Jardine, técnico do sub-20 do São Paulo; Julinho Camargo; Cleber Xavier, auxiliar da CBF; Leandro Simpson, técnico da Seleção Brasileira sub-16, entre muitos outros.
No Juventude fui contratado por Osvaldo Pioner, um grande mestre da Gestão Pessoal e financeira e um dos maiores estrategistas que conheci e procuro seguir.
Conheci muita gente no Brasil e exterior. Presenciei e tive que resolver problemas do dia a dia em grandes clubes que me abasteceram de muito conhecimento. Aspectos que nos dá confiança de que nossa gestão irá fazer um grandioso trabalho.

 

O Informativo do Vale - Diante da campanha levantada pela atual direção, qual a ideia de planejamento para levar o clube à elite do futebol brasileiro até 2026?
Sebben - Estar na elite em 2026, não depende de subirmos para a Série A do Gauchão em 2018, ainda que temos a certeza que iremos montar uma equipe para brigar pelo acesso. Acreditamos que iremos nos fortalecer como entidade a cada ano, passo a passo, jogo a jogo, a cada conquista. E essas conquistas e esse crescimento começam desde cedo, já na escola de futebol. Nossas equipes estão participando cada vez mais de competições de maior envergadura, jogos importantes, de grande crescimento psicológico dos atletas, dos professores, dos diretores e das famílias envolvidas. A cada ano que passa, estaremos mais maduros, mais fortes, mais preparados para os grandes desafios. E esse crescimento é de todos que estão envolvidos com o clube.
Nossa diretoria está trabalhando muito, estamos fazendo reunião, todas as segundas-feiras. Essa semana, conseguimos reorganizar a questão da cobrança de mensalidade dos sócios e também começamos a cadastrar os novos.

 

O Informativo do Vale - Qual a importância das categorias de base nessa retomada do clube?
Sebben - A base é o grande ativo do Lajeadense. Nem mesmo os grandes clubes conseguem sobreviver sem aproveitar a base. Esses atletas se identificam mais com a entidade, querem crescer junto, e normalmente, atuam com mais afinco, mais vontade. Nossa base já está formando vários atletas e isso em algum momento irá nos trazer também o retorno financeiro e a sustentação que precisamos para nos manter ao longo dos anos.

 

O Informativo do Vale - O que fazer para que o torcedor volte a comparecer em bom número no Estádio Alviazul? Existe alguma ação para que isso ocorra?
Sebben - Cada vez mais, o clube irá contar com atletas identificados e nascidos no Vale. Estamos fechando parcerias com diversas empresas que estão aproximando seus colaboradores do clube. O departamento dos ex-atletas está sendo criado. Percebo que grande parte da comunidade tem, lá no fundo, a esperança de que a nossa meta seja atingida e quer ajudar para que isso aconteça.
Estamos fazendo parcerias com clubes amadores da região para implantação de novas escolas de futebol. Hoje já existem os núcleos do Brasil de Marques de Souza e do ECAS de Imigrante e o plano é abrir mais dois até o final do ano. Esses alunos, além da identificação com seu clube amador (do seu bairro ou da sua cidade) passarão a se identificar também com o Lajeadense, pois estarão participando de competições estaduais, nacionais e internacionais com a camisa do clube.
A proposta é fazer a parceria onde o time amador também tenha retorno financeiro em caso de algum atleta da sua escolinha possa vir a se tornar jogador profissional. Com isso, a torcida por um atleta regional e pelo clube do Vale vai aumentando aos poucos. O torcedor de Imigrante, de Marques de Souza e outras cidades que se tornarão parceiras, passarão a frequentar o Estádio Alviazul para torcer por seu filho, por sua promessa, por seu craque.
Em novembro, estaremos abrindo um núcleo social, em parceria com a Saidan e alguns voluntários do Bairro Santo Antônio. Estamos levando o Lajeadense para dentro das comunidades.
Somos parceiros da escolinha Núcleo Nova Estrela do Bairro das Indústrias e da Bate Bola do Bairro Imigrante, ambas de Estrela. Também firmamos intercâmbio com o Guaraní Mirim do Bairro Igrejinha. Temos o núcleo de Conventos e uma parceria com a Prefeitura de Forquetinha. Aos poucos, o Vale está se aproximando do Lajeadense.
Meu grande sonho é que nossa região seja reconhecida nacionalmente como o Vale do Fomento onde o Lajeadense é a pedra fundamental dessa construção.

Comentários

VEJA TAMBÉM...