Mulheres que Transformam

Iliane Stumm

Dedicação à cultura e à comunidade em Marques de Souza

Créditos: Alício de Assunção
?Vou fazendo até quando der. Isso não pode se perder porque, se isso acontecer, morrem junto nossa história, nossa cultura", diz Iliane - Alício de Assunção

Vale do Taquari - A menina que corria de pés descalços entre os clientes que frequentavam a casa comercial dos pais, na Linha Bastos, por volta de 1960, observava que as conversas, a maioria no dialeto alemão, giravam em torno de histórias de vida, dos avós e dos pioneiros que povoaram a localidade, a partir de 1888. Pois essa convivência com a cultura germânica transformou-se em filosofia de vida para Iliane Stumm (66), que coordena o grupo de danças alemãs Schön Ist die Jugend, desde 1996. "Na realidade, meu envolvimento com as danças vem desde que cheguei na cidade, em 1975. Nessa época, existia um grupo de danças em Marques de Souza, que foi convidado pelo professor Waldemar Richter para participar dos festejos dos 175 anos de imigração alemã em Lajeado", recorda.

A partir daí, começou o interesse de dona Iliane para manter algo da cultura herdada dos imigrantes. "Meus bisavós eram pomeranos, fui criada na roça, sempre ouvia histórias do tempo em que chegaram aqui, com poucas condições, e sobreviveram. Por isso, abracei essa causa de resgatar as tradições, por meio das danças."

Conhecimento
Encantada com a cultura dos antepassados, Iliane Stumm iniciou a busca por conhecimento. Tudo por conta própria. Em 1996, passou por capacitação em Estrela. Mais tarde, foi a Gramado e, assim, foi se aperfeiçoando sobre as danças e a cultura germânica. As raízes alemãs falaram alto e hoje ela mantém o grupo de danças Schön Ist die Jugend. Em diversas categorias, envolve cerca de 70 dançarinos de 6 a 90 anos. Desde a fundação, em 1996, já passaram pela entidade cerca de 300 dançarinos.

Iliane tirou do bolso os recursos para promover, recentemente, um festival de dança, que recebeu em Marques de Souza 400 dançarinos, de oito grupos do Rio Grande do Sul. Em setembro, viaja com o Schön Ist die Jugend para Pato Bragado, Foz do Iguaçu e Santa Helena, no Paraná. Até o final do ano, serão 15 apresentações em diversas cidades gaúchas.
Seja para o festival ou no dia a dia, o grupo sustenta-se apenas com a doação de pessoas da comunidade. Dona Iliane conta que mantém as atividades por acreditar que a cultura alemã é essencial em Marques de Souza. "Uma história iniciada lá atrás, com os primeiros moradores, entre eles nossos avós e pais, tem quem ser preservada. E, para isso a participação, da comunidade é essencial", ressalta a entusiasta, vestida a caráter. "Vou fazendo até quando der. Isso não pode se perder porque, se isso acontecer, morrem junto nossa história, nossa cultura."

Várias frentes
O envolvimento comunitário começou aos poucos e tornou-se marca de Iliane Stumm. Ela presidiu a Comunidade Evangélica da Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil (IECLB) por quatro anos e a Sociedade União Centenária por outros oito. Também atuou como oficineira na área de artesanato. Por uma década, integrou o Departamento de Assistência Social Municipal, onde participou de diversos eventos envolvendo idosos da sede e das localidades de Picada May, Tamanduá, Bela Vista do Fão e Linha Atalho. "Foram períodos maravilhosos, em que a integração com a comunidade me trouxe muito aprendizado e uma excelente convivência com pessoas de diversos lugares", lembra ela, com carinho. "Me fez ver, principalmente, que devemos servir ao próximo."

Comentários

VEJA TAMBÉM...