Mulheres que Transformam

Rosmeri Teresinha Campiol Denicol

Exemplo de cidadã do bem


 

Ainda pequena, quando observava seu pai atuar nas festas comunitárias no distrito de Coqueiro Baixo - na época pertecente a Nova Bréscia -, Rosmeri Teresinha Campiol Denicol (46) ouvia dele um conselho que guarda até hoje: "Quando formos convocados para trabalhar para a comunidade, devemos acatar, pois isto faz bem e este dia dedicado não irá te fazer falta." A recomendação de infância não ficou apenas nas lembranças. Virou inspiração para se dedicar aos outros. 
Por morar sempre no mesmo lugar, na hoje cidade de Coqueiro Baixo, Meri, como é conhecida na comunidade, estreitou sua ligação com os moradores. Casada com Luciano e mãe de Guilherme (7) e Pedro (5), até os 17 anos trabalhou na roça, ajudando os pais. Depois atuou em cooperativa, escritório de contabilidade e mercado. Foram 16 anos na Câmara de Vereadores, um na Assistência Social e hoje ela é servidora da Secretaria Municipal de Administração. 
Na residência que era do pai, ela ainda cuida da propriedade que produz amendoim, batata-doce, aipim e frutas. Também tem alguns animais, galinhas caipiras e a horta. Como consegue fazer tudo? "É uma questão de se organizar. Acordo todos os dias às 5h30min, acendo o fogão, tomo chimarrão, depois faço o serviço de casa e vou trabalhar." Na simplicidade da rotina do interior, Meri tornou-se mestra em equilibrar a vida familiar, a profissão e o voluntariado.

 

Aqui e ali

A atuação como voluntária começou cedo. Aos 12 anos, ajudava com alegria a servir as mesas nas festas comunitárias. Hoje, Meri está envolvida em vários eventos de Coqueiro Baixo. "Trabalho em promoções como o Festival da Canção Italiana e o filó. Desde a decoração, a divulgação, a alimentação e a limpeza", relata a incansável servidora pública, que faz tudo pelo prazer de colaborar.
Meri também foi catequista e colabora com a equipe de liturgia da igreja. "Já integrei todas as diretorias de entidades que tem aqui. Hoje sou da diretoria da Capela São José", afirma, com orgulho.

 

Cidade do coração

Méri se define como um ponto de informação em Coqueiro Baixo. "Conheço todo mundo, então as pessoas me procuram para ajudar a solucionar algum problema como, por exemplo, uma ligação telefônica para resolver a conta de energia elétrica", explica. Então, quando eu consigo, elas ficam bem felizes."
Meri também gosta de exaltar sua terra natal. "Sempre que tem um fato, uma notícia, procuro divulgar na imprensa, porque amo minha cidade e quero vê-la crescer cada vez mais." E ela tenta inspirar os outros com o carinho que tem com esse pedaço do Vale. "Dou o máximo que posso e gostaria muito que meus filhos, quando crescerem, fiquem morando aqui", comenta. Para ela, Coqueiro Baixo consegue encantar os visitantes. "É uma cidade limpa, tem uma boa gastronomia italiana, muito sossego, belas paisagens, uma praça belíssima e o carisma das pessoas."

 

Fazer a diferença

Méri diz que quer ser uma cidadã do bem, um orgulho para sua família, aquela pessoa que faz diferença. "Quando se fala em trabalho voluntário, as pessoas acham isso bonito. Afinal, é bacana dizer que ajuda uma entidade ou associação de moradores.  O que muita gente esquece é que não se trata de favor, algo que se faz quando está disponível ou quando não tem nada melhor para fazer", explica. "Voluntariado é um compromisso tão sério quanto o trabalho que remunera. Não se trata de migalha, mas de um valioso comprometimento." Ela diz isso com propriedade, afinal, são muitos anos envolvida em diferentes frentes. E este trabalho, geralmente, é aos finais de semanas nas festas ou programações do município. "Tu deixas tua família e sai de casa para trabalhar. Mas isto me faz muito bem e, enquanto eu puder, sempre vou fazer." Ela conta que toma como exemplo a opinião de morador da comunidade. "Não é pra reclamar da vida quando a gente está bem. Então, é melhor trabalhar o sábado e o domingo, do que estar doente. Tenho muito orgulho em fazer parte da história dessa cidade."

"Voluntariado é um compromisso tão sério quanto o trabalho que remunera. Não se trata de migalha, mas de um valioso comprometimento..."

Voluntária, Rosmeri Teresinha Campiol Denicol dedica-se a ajudar os outros

 

Comentários

VEJA TAMBÉM...