Mulheres que Transformam

Vera Lúcia Giacomolli

Alegria em fazer o bem

Créditos: Rita de Cássia
Trabalho voluntário é a realização de Vera Lúcia Giacomolli - Lidiane Mallmann

Lajeado - A sala do grupo Amigas do HBB - que funciona no mesmo prédio do Hospital Bruno Born de Lajeado - é um dos lugares em que Vera Lúcia Giacomolli (65) mais gosta de estar. É lá onde realiza seu trabalho voluntário há 13 anos. Ela e outras mulheres revezam horários para organizar doações e distribuir para pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS). "É a melhor coisa que fiz em minha vida. Eu gosto muito daqui e me sinto em casa. Trabalhamos com carinho e recebemos o retorno das pessoas através de sorrisos."

 

Batalhadora

Vera nasceu em Venâncio Aires, mas cresceu em Bom Retiro do Sul, onde foi criada pelos tios desde os 5 anos. "Tudo o que aprendi foi com eles. Me matriculavam em cursos de bordado, culinária e outros. Infelizmente já faleceram", conta. Aos 14 anos começou a trabalhar no cartório do tio. E passou a morar em Lajeado após o casamento com Iramir. É formada em Letras, mas nunca foi professora. Houve um período em que o casal mudava frequentemente de cidade por causa do serviço dele. "Moramos em Palmeiras das Missões, Passo Fundo, Carazinho e até fora do Estado. Naquela época, parei de trabalhar fora", recorda. Vera também atuou na CRT e mais tarde, ela e Iramir abriram uma empresa, onde atuou até aposentar-se. Têm dois filhos Guilherme e Carolina, e a neta Antônia, que residem na Praia da Pinheira, em Santa Catarina.

 

Amigas do HBB

O grupo existe há 15 anos. Há 13, Vera é colaboradora e há dois assumiu a coordenação. "Eu aceitei o convite de uma amiga quando ainda participavam do clube de mães do Colégio Madre Bárbara. Comecei aqui e não parei mais. Só deixo de vir em casos extremos." O plantão dela ocorre às quartas-feiras a tarde e sempre que precisa substituir alguém. "Ao todo são 20 amigas que revezam o trabalho", explica. A voluntária é responsável pelo controle de entrada e saída de doações. Tudo é anotado em um caderno. "Também realizamos brechós para arrecadar valores que são revertidos em fraldas." São comercializadas roupas doadas, mas somente aquelas que não são adequadas para quem está acamado.

 

Carinho

Além de produtos de higiene e roupas, Vera e sua turma levam sorrisos e um pouco de alento aos quartos do hospital. "É um momento de conversar, saber o que as pessoas precisam e tentar de alguma forma tranquilizá-las." Datas especiais como Natal, Páscoa, Dia das Mães, dos Pais, da Vovó e Vovô e das Crianças também são lembradas. "Entregamos presentinhos e percebemos a emoção dos pacientes". Várias histórias acompanham os anos de trabalho. São finais felizes e outros nem tanto. "O que mais me comove são as crianças e os idosos que são deixados de lado pelas famílias."

 

Para ajudar

Vera pede ajuda para continuar ajudando. Se você quiser colaborar com o grupo Amigas do HBB pode doar toalhas de banho usadas, sabonetes, creme dental, escova de dente, papel higiênico, roupas (somente em bom estado), material de higiene pessoal em geral e fraldas. Elas podem ser entregues na portaria do HBB. Algumas empresas também contribuem, assim como o grupo Tricoteiras do Bem - que oferecem roupinhas, meias e outros artigos. "O que não é aproveitado aqui doamos para outras entidades."

 

"O que mais me comove são as crianças e os idosos que são deixados de lado pelas famílias."

 

Comentários

VEJA TAMBÉM...