Polícia

Com efetivo policial reduzido, Estrela registra aumento de roubos

Índices de assaltos se multiplicaram e comunidade percebe as dificuldades da segurança pública

Créditos: Natalia Nissen
- Lidiane Mallmann

Estrela - Nos três primeiros meses de 2017, o número de roubos aumentou 115% no município em relação ao primeiro trimestre do ano passado. Os dados são disponibilizados pela Secretaria de Segurança Pública do Rio Grande do Sul (SSP/RS) e confirmam o que os moradores relatam sobre as mudanças nas ruas da cidade. Trabalhadores da área central convivem diariamente com os riscos de serem assaltados e, quando não são vítimas, conseguem apontar conhecidos ou comerciantes que já foram roubados nas últimas semanas.

O vigia de um estabelecimento comercial no Centro conta que um mesmo suspeito assaltou pelo menos três lojas próximas em poucos dias. "É o da bicicleta motorizada. Um dia foi na farmácia aqui ao lado, depois na outra, e depois na loja na outra quadra. Aqui ele não vem porque sabe que tem guarda. A loja paga imposto e, como não tem efetivo na polícia, ainda paga segurança particular para se proteger". Ele afirma que os ladrões já são conhecidos. Outro vigia ainda acrescenta que a própria comunidade precisa adotar um comportamento preventivo para evitar a criminalidade.

De acordo com os índices da SSP, foram registrados 56 assaltos entre janeiro e março deste ano, desconsiderando os roubos de veículos. Vítimas de roubo no mês passado, as funcionárias de um estabelecimento contam que o criminoso entrou na loja usando capacete e com arma na cintura. Foi até o caixa, colocou um estojo no balcão e ordenou que a atendente colocasse todo o dinheiro dentro do estojo. "Ele esperou as outras lojas fecharem, no final da tarde, e então veio aqui. Não temos o que fazer, não podemos fechar as portas por causa disso. Sabemos que a polícia não tem gente suficiente, então precisamos de videomonitoramento na cidade". Os moradores garantem, também, que os roubos não são limitados à área central da cidade. Há registros de comércios em bairros mais distantes que são alvos comuns dos bandidos.

Efetivo reduzido e escalada de crimes
O comandante do policiamento em Estrela, capitão Jorge Luiz Engster, afirma que não há uma regra para identificar o aumento de certo delito, já que a criminalidade tem fatores biopsicossociais. No entanto, alguns fatores auxiliam no trabalho da polícia para identificar as causas do acréscimo. "Diminuição significativa de efetivo sem reposição; alguns indivíduos que estavam presos no ano passado e estão em liberdade; proximidade com o município de Lajeado - de onde vem criminosos para efetuar roubos em Estrela; e o tráfico de entorpecentes".

O oficial garante que apenas os roubos tiveram aumento nos últimos meses e, por isso, a capacidade operacional da companhia é direcionada a reduzir os índices com ações específicas, a partir dos meios disponíveis. "Enquanto não houver aporte de efetivo para Estrela, continuaremos fazendo ações de Pelotão de Operações Especiais (POE) de forma isolada. O aumento da criminalidade também está ligado à significativa redução de efetivo". Neste ano, o POE foi extinto no 40º Batalhão de Polícia Militar (40º BPM) de Estrela por falta de pessoal.

Engster reforça a importância da colaboração da comunidade para apoiar a BM por meio de informações sobre crimes e suspeitos, valorizar o policial militar e cobrar das autoridades políticas estaduais o devido investimento em segurança pública. "O que não nos tem faltado é vontade de ajudar a comunidade, e para isso temos usado toda nossa capacidade de recursos para prestar esse serviço".

Roubos em Estrela
2017
janeiro: 21
fevereiro: 15
março: 20
total: 56

2016
janeiro: 12
fevereiro: 1
março: 13
total: 26

Saiba Mais
O Comando-Geral da Brigada Militar anunciou, nesta semana, que a partir de junho haverá reforço no efetivo das cidades do interior gaúcho. Conforme a BM, nenhum município terá menos de três policiais militares para garantir o policiamento. O acréscimo será feito a partir da formação de novos soldados. O governo promete, ainda, que na segunda quinzena de julho serão mais 1 mil novos servidores nas ruas e já autorizou o retorno de integrantes do Corpo Voluntário de Militares Inativos (CVMI) para atuar em patrulhas escolares e atividades de videomonitoramento. A meta do Estado é iniciar o próximo ano com pelo menos cinco policiais militares em cada município.

Comentários

VEJA TAMBÉM...