Polícia

Juiz Bortoli acolhe pedido de diligências feito pelo promotor

Rodrigo de Azevedo Bortoli publicou decisão que substitui prisão preventiva de M.A.W. por medidas cautelares, além de defender mais investigação


Rodrigo de Azevedo Bortoli postergou análise de denúncia para realização de novas investigações - Caroline Garske/arquivo

Na tarde de ontem, o juiz da 1ª Vara Criminal da Comarca de Lajeado, Rodrigo de Azevedo Bortoli, postergou a análise de denúncia do Ministério Público (MP) no caso de M.A.W. (42), que foi acusado por homicídio doloso de pai e filho e duas tentativas de homicídio. Após o promotor de Justiça Neidemar Fachinetto oferecer denúncia, na terça-feira, Bortoli publicou sua decisão, que acolheu o pedido do MP para realização de novas investigações.

As diligências mais simples devem ser realizadas no prazo de 15 dias e as mais complexas no prazo de 30. "As de apuração da velocidade veicular, por exemplo, é bem provável que demore mais, mas o prazo que eu estabeleci originalmente é o de 30 dias", destaca Bortoli. Ainda de acordo com o juiz, o caso requer outras diligências que são relativas às circunstâncias do fato e que vão impactar ou no dolo ou na culpa.
"A própria autoridade policial, em alguns momentos, tratou o fato como doloso, em alguns momentos como culposo. Embora o MP tenha formulado denúncia quanto ao doloso eventual, indica que requer mais informações. Então primeiro é preciso concluir todas investigações, buscar esses outros elementos e depois o MP define qual é sua acusação", afirma Bortoli.

Medidas cautelares

M.A.W., que estava recolhido ao Presídio Estadual de Lajeado há 17 dias, foi liberado na tarde de ontem. O juiz Rodrigo de Azevedo Bortoli substituiu a prisão preventiva por medidas cautelares. "Considerando o tempo que já havia de privação de liberdade cautelar, ao que se somarão os próximos 30 dias, eu revoguei a prisão preventiva e estabeleci outras cautelares, que ele terá de cumprir."

Relembre o caso

Na madrugada de 23 de junho, um domingo, M.A.W. dirigia um Citroen C4 pela BR-386, em Marques de Souza, quando, na altura do Km 328, invadiu a pista contrária e colidiu de frente com o veículo em que as vítimas, todas da mesma família, estavam. O motorista, Adriano Scramozzini (35), morreu na hora. O filho, Luis Henrique (7 meses) chegou a ser socorrido, mas não resistiu aos ferimentos. Solange Gibmaier (35), mãe do bebê e esposa do motorista, bem como o outro filho do casal, Everson Scramozzini (18), ficaram feridos. Na última terça-feira, o MP ofereceu denúncia contra M.A.W. por homicídio doloso eventual de Adriano e Luis Henrique, bem como pela tentativa de homicídio doloso eventual de Solange e de Everson.

Comments

SEE ALSO ...