Polícia

Lajeado entra na luta contra o tráfico

Operação Ipê Amarelo dá início a uma série de ações no combate ao crime organizado

Créditos: Jean Peixoto
IPÊ AMARELO: operação foi desencadeada na madrugada de domingo, nos condomínios Novo Tempo 1 e 2 e arredores - Jean Peixoto

Lajeado - O movimento intenso de viaturas pelas ruas e o ruído ostensivo dos helicópteros nos céus quebraram o rotineiro silêncio dominical de Lajeado. Do Centro ao Santo Antônio, os moradores só tinham olhos para os mais de 350 policiais da Brigada Militar (BM), Polícia Civil, Polícia Rodoviária Federal (PRF) e servidores do Corpo de Bombeiros que circulavam pela cidade. Com o apoio do Ministério Público e da Justiça Estadual, a Fase 1 da Operação Ipê Amarelo (Animus Domini) deu o primeiro passo de uma importante batalha contra o crime organizado no município.

A partir de denúncias e dados coletados pelos órgãos de segurança pública, as ações foram conduzidas na forma de operação centralizada junto aos Residenciais Novo Tempo 1 e 2 e arredores. Os relatos foram trazidos, em grande parte, pelos próprios moradores que denunciaram crimes como invasões de apartamentos, tráfico de drogas, posse e porte ilegal de armas. Foram revistadas 430 unidades habitacionais e seus moradores foram todos identificados. Foram cumpridos 43 mandados de busca e apreensão, com cinco mandados de prisão cumpridos.

A denominação Ipê Amarelo faz alusão a um símbolo da retomada da paz na cidade de Lajeado e a proteção dos seus frutos - crianças e adolescentes. Segundo o promotor de Justiça Carlos Augusto Fioriolli, o "Animus Domini" refere-se à devolução do direito aos moradores da região de circularem com segurança pela cidade. Um dos principais objetivos é coibir o tráfico de drogas nas proximidades de escolas, creches, praças e quadras esportivas.


Prisões

Ao todo, 18 pessoas foram presas. Destes, quatro mulheres foram presas em flagrante e uma mulher recapturada, além de uma adolescente infratora. Conforme informações concedidas durante a coletiva de imprensa concedida na sede do Ministério Público de Lajeado, todos os homens serão alocados no Presídio Estadual de Lajeado e as mulheres, no Presídio Feminino.


Do outro lado

Por volta de 6h de domingo, Luiz Adenilson de Jesus (41) foi acordado com o som da sua porta sendo arrombada pela polícia. "Eu não entendi nada", comenta o morador do prédio 12 do condomínio Novo Tempo I. Segundo relato, os policiais entraram no apartamento, imobilizaram Luiz, a esposa, Geneci Siqueira Nascimento, a filha de 7 anos e o neto de 14. "Foi a primeira vez que invadiram nossa casa", comenta a menina. Para Luiz, a ação foi exagerada. "Foi completamente desnecessário. Eles arrombaram a porta, bagunçaram tudo, assustaram as crianças e não encontraram nada. Sou trabalhador." Leandro Flores Pereira (24), membro da Igreja Assembleia de Deus Pentecostal Unida do Brasil (IADPUB), morador do bloco 7, concorda. "No meu bloco ninguém foi levado. Não achei certo o modo como entraram".

O titular do Comando Regional do Vale do Taquari (CRPO VT), tenente-coronel Luís Marcelo Gonçalves Maya, explica que o fator surpresa é fundamental neste tipo de operação e destaca que as abordagens foram feitas em locais específicos, onde havia fortes indícios. "Por exemplo, tinham sete famílias residindo entre os dois residenciais com ligação muito íntima com foragidos da Justiça. Não há como entrar com aviso prévio e muito menos sem revistar todas as possibilidades." O delegado José Romací Reis, titular da 19ª Delegacia Regional de Polícia (19ª DRP), acrescenta que todos os policiais são treinados para realizar este tipo de trabalho. "Se a pessoa teve a casa revistada, é porque tinha alguma suspeita contra ela. Tanto que, vários destes que nós entramos hoje foram presos em flagrante. Pode ser que um ou outro não tivesse nada em casa, mas certamente havia alguma suspeita fundamentada." Reis salienta que crianças nunca são imobilizadas. "Crianças nunca são colocadas no chão. Isso não é verdade. Muitas vezes, até pegamos no colo e fazemos um afago para elas pararem de chorar."


Números da Operação

Pessoas presas / apreendidas

- 10 flagrantes por tráfico de drogas
- 2 recapturas de foragidos
- 4 Termos Circunstanciados de Ocorrência (2 posse drogas/ 1 posse munição /1 crime ambiental - aves silvestres)
- 2 procedimentos de apuração de ato infracional


Objetos apreendidos

- 1 espingarda calibre 12
- 7 cartuchos calibre 12
- 30 cartuchos de munição calibre 38
- 10 buchas de maconha
- 29 buchas de cocaína
- 8 celulares
- 1kg de cocaína
- 0,5 kg de maconha
- 0,4 kg de crack
- 1 balança de precisão

 

 

Comments

SEE ALSO ...