Política

Decretos para reduzir custos serão a primeira medida de Leite

Governador reúne secretariado nesta quarta-eira

Créditos: Da redação
Eduardo Leite: propósito é unir o Estado em torno da grande missão de reestruturação do governo - Dyessica Abadi/Palácio Piratini

Porto Alegre - Reestruturação do governo e redução de custos na máquina pública foram as expressões mais usadas por Eduardo Leite em sua primeira entrevista coletiva como governador do Rio Grande do Sul nesta terça-feira (1º). A conversa com os jornalistas aconteceu na antessala do gabinete que vai ocupar pelos próximos quatro anos, no Palácio Piratini, logo após a cerimônia de transmissão de cargo.

Leite informou que a primeira reunião de governo vai ser nesta quarta-feira (2), às 8h, com todos os secretários: "O nosso propósito é unir o Estado em torno da grande missão de reestruturação do governo. A primeira reunião será para alinhar toda essa equipe de governo em torno dos conceitos que movem o nosso projeto e a nossa agenda para o Estado. Por isso, já vamos tratar das primeiras medidas, entre elas decretos que preveem restrição de viagens, redução em contratos, diminuição de horas extras, enfim, todas as despesas que possam ser contingenciadas no custeio da máquina pública".

O governador definiu os decretos como um freio de arrumação para organizar cada secretaria. "Naturalmente, como governo que está assumindo, estabelecemos um congelamento de gastos por pasta. Não podemos deixar as despesas aumentarem. Sempre falei isso, desde que me elegi. Um governo que entra não pode abrir mão de receita e, por isso, tivemos a iniciativa de pedir a prorrogação das alíquotas do ICMS na Assembleia Legislativa. Mas, por outro lado, também não pode deixar que os gastos aumentem", explica.

Com a redução de gastos, o governo gaúcho espera, pelo menos, cobrir o déficit inicialmente projetado para 2019. "Todo horizonte é sempre olhando para o déficit que se projeta para nosso primeiro ano de governo, que é de aproximadamente R$ 4 bilhões. Vamos buscar todas as condições para poder reduzir esse déficit. Por isso, nossa equipe financeira está fazendo o levantamento das informações para que a gente possa tomar as medidas e governar com tranquilidade e segurança", afirma.

Salário do funcionalismo

Questionado sobre os salários atrasados dos servidores do Executivo, Leite voltou a afirmar que essa é uma de suas principais preocupações: "Mantemos a meta de colocar os salários em dia dentro do primeiro ano de governo. Todo nosso esforço é para pagar o servidor em dia, sem dúvida".

Comments

SEE ALSO ...