Política

Madalena Zanchin é a primeira no cargo de prefeita de Anta Gorda

Ela substitui o prefeito Celso Casagrande, que está de férias até 31 de janeiro

Créditos: Carolina Schmidt
- Assessoria de Imprensa/divulgação

Anta Gorda - Até o fim do mês, o município de Anta Gorda será liderado por uma mulher. A vice-prefeita Madalena Gehlen Zanchin (PDT) assumiu o cargo de prefeita em exercício em 5 de janeiro, por conta das férias do gestor Celso Casagrande. Natural de Arvorezinha, ela tem 37 anos, é empresária e graduada em Administração com habilitação em Comércio Exterior.
Nas suas experiências políticas anteriores, atuou como secretária municipal da Fazenda. Para Madalena, ser a primeira mulher à frente do cargo em 54 anos de história do município é uma honra.

O Informativo do Vale - Qual a expectativa sobre os seus dias de mandato como prefeita?

Madalena - Por estar acompanhando a administração, tenho clareza que este momento de início de ano exige que as questões burocráticas de sistema, contratações, relatórios obrigatórios, renovação de contratos, aditivos, sejam despachos para que os serviços públicos possam ser retomados na sua velocidade normal. Aproveito a oportunidade, também, enquanto prefeita em exercício, para conversar com funcionários e a população no sentido de identificar o que podemos melhorar no trabalho de nossa administração.

O Informativo do Vale - Quais os principais projetos para o município, neste ano?

Madalena - Temos um plano de governo com projetos para serem colocados em prática no decorrer dos quatro anos. Já realizamos objetivos muito importantes em 2017. Agora, para o ano de 2018, temos como prioridade a realização da 7ª FestLeite, que ocorre de 25 a 29 de abril, um evento que tomou uma proporção e uma importância muito ampla para vários segmentos da economia do nosso município.

Na área da agricultura, o maior empreendimento é o início da obra de terraplenagem para a construção do Condomínio Avícola de Anta Gorda, um projeto em parceria com a Cosuel que irá produzir 275 mil frangos por lote. Também no ano de 2018, iremos realizar uma Reforma Administrativa, a fim de reestruturar e atualizar a estrutura do funcionalismo público municipal.

Pretendemos, ainda, investir num britador municipal assim como na renovação da frota de maquinários, para facilitar a manutenção dos 900 quilômetros de estradas vicinais que o município possui. Na questão urbana, estaremos realizando as obras conquistadas por meio de emendas parlamentares no ano de 2017, tanto no Ministério das Cidades quanto no do Turismo. Na área da educação, o principal investimento será a abertura das primeiras turmas de turno integral na Educação Infantil. Também visamos a ampliação da Escola Municipal de Educação Infantil Girassol para comportar novas turmas. Nas demais áreas de saúde e assistência social, temos projetos e atividades já planejadas para o longo do ano, trabalhando com diferentes grupos e demandas.

O Informativo do Vale - Qual a sua avaliação do cenário atual da política e economia?

Madalena - Por mais difícil que seja o cenário atual da política brasileira em função do descrédito que o segmento, infelizmente, conquistou, eu acredito que essa crise faça com que o eleitor reflita sobre o perfil, postura, experiência e a formação que um político que está à frente de um governo deva ter. Tenho que acreditar que estamos passando por um processo de mudança cultural na política. Penso que a economia brasileira já demonstrou sinais sutis de recuperação da forte crise vivida nos anos de 2015 e 2016. Falo isso, considerando a questão financeira-orçamentária do município, pois demonstrou que a receita projetada para o ano de 2017 se cumpriu.

O Informativo do Vale - Qual o papel e os desafios da mulher na política?

Madalena - Percebo que a mulher ainda está muito acuada na política. O percentual de cargos eletivos que elas ocupam confirma isso. Na última eleição municipal no país, 86% dos candidatos a prefeitos eram homens e apenas 14% mulheres. O Brasil, conforme dados da ONU, ocupa as últimas posições no ranking mundial com relação a participação feminina na política. Eu acredito que faz parte do caráter feminino pensar no coletivo em primeiro lugar, até mesmo pela questão do grupo familiar que nós, mulheres, administramos em nossos lares. Cuidamos da casa, dos filhos, do companheiro, nos preocupamos com o que está em nossa volta para depois olharmos a nós mesmas. E a política é exatamente assim, observamos o que está em nossa volta que possa ser melhorado, escutamos a população, avaliamos e tentamos aperfeiçoar os serviços públicos. Temos uma afinidade muito grande com a política e não nos damos conta. Acredito que a sensibilidade feminina, a intuição e a generosidade possam, sim, contribuir com a política.

O Informativo do Vale - Quais os principais desafios para os gestores (as) públicos (as)?

Madalena - Conciliar as demandas da população com os limites da capacidade orçamentária de um município e ter a clareza das cobranças dos órgãos de controle. Ser gestor público é um grande desafio, porque tem o compromisso de planejar o futuro de um município de acordo aos anseios da população, realizar este planejamento e ao mesmo tempo se deparar com a limitação orçamentária e financeira e com a cobrança e punições dos órgãos de controle e judiciário.

 

Comentários

VEJA TAMBÉM...