Geral

Uber: Inscreva-se para dirigir ou toque para viajar

Aplicativo, que começou a operar em abril, divide opiniões entre usuários e profissionais da área

Créditos: Ana Caroline Kautzmann
UBER: Rodrigo Marques (35) é um dos motoristas do aplicativo em Lajeado - Lidiane Mallmann

Lajeado - O Uber demorou quatro anos para chegar a cidade, depois da primeira viagem realizada no Brasil. A empresa iniciou o serviço no Rio de Janeiro, no primeiro semestre de 2014. A primeira passageira em terras nacionais, em uma ação promocional do aplicativo para divulgar a atuação, foi a modelo Alessandra Ambrósio. Atualmente, a corporação opera em 81 países. Conforme informações disponíveis no site da empresa, são mais de 630 municípios ao redor do mundo nas quais é possível pegar carona com o auxílio do serviço. "O app da Uber encontra um motorista próximo a você para te levar aonde você quiser." Essa é a prerrogativa do serviço. Parece simples, eficiente e ágil. E, de fato, é. Talvez seja esse o motivo que tenha levado ao sucesso comercial da ideia em capitais e regiões metropolitanas país e, depois, às áreas mais interioranas. Como é, agora, o caso de Lajeado e cidades no entorno.

O serviço teve início no município no dia 21 de abril. Rodrigo Marques (35) é um dos motoristas que trabalham com o serviço em Lajeado e não é só aqui que já atuou na área. Em Porto Alegre, foram cerca de oito meses. "Eu me mudei para cá há alguns meses e, como ainda não tenho emprego fixo, e o aplicativo liberou aqui, estou fazendo Uber", afirma. Segundo com ele, não há uma média de corridas diárias, mas o movimento está alto desde o "boom" do serviço. "Como agora virou febre na cidade, tenho muitos chamados. O pessoal está usando para tudo, hospital, academia, escola. A maioria da demanda vem do Shopping Lajeado, da Univates e da rodoviária", explica.

Em alguns horários, é difícil encontrar carros disponíveis, fato que se explica pela autonomia oferecida pelo aplicativo. "O Uber é autônomo, trabalhamos a hora que queremos, o que é uma comodidade. Tem alguns que preferem trabalhar de dia, outros à noite. Eu, geralmente, desligo o aplicativo em horários de pico", conta. Em Lajeado, não há um número exato de motoristas que atuam no Uber, mas Marques dá um palpite: "Fiquei sabendo que tem uma média de dez motoristas, mas não tem como dizer ao certo".

Quase fechando um mês de atuação na cidade, muitas pessoas já usufruíram do transporte. Fernanda Guindani tem 18 anos e chamou o Uber em Estrela para vir até Lajeado. Ela, que já havia utilizado o meio em outros municípios, confirma que teve suas expectativas atendidas. "É uma forma mais barata e rápida de se locomover porque, geralmente, o ônibus demora muito. Então pretendo continuar usando", conta. De acordo com a assessoria de imprensa do Uber, mesmo que a atuação do aplicativo esteja em constante expansão, ainda não há previsão de que outros municípios do Vale recebam o serviço.

E-hailling

É uma nova forma de requisitar transporte, em expansão pelo mundo. Nova, com ressalvas. Porque corporações já atuam com o este tipo de serviço há quase uma década. Basta verificar as empresas que têm se especializado, ao longo do tempo, na oferta de tecnologia e transporte aliados. No e-hailing, tudo acontece por meio de aplicativos, diferente de quando você liga para um taxista ou chama a atenção do motorista abanando da calçada. Na verdade, a palavra inglesa "hailing" significa "chamar a atenção" e "saudar". O prefixo "e-" dá ideia de virtualização, já que tudo acontece por meio da conexão do smartphone com a Internet.

O Uber se tornou uma gigante no ramo, mas outras corporações também oferecem serviços similares (e alguns mais específicos). 99 Taxi, Grab, Cabify e Ola Cabs são aplicativos que se apropriam do conceito para funcionar. O Zaznu é uma iniciativa nacional do mesmo gênero. Executar todo o processo por dispositivos eletrônicos oferece ao usuário e ao motorista mais conforto, segurança, agilidade e facilidade no pagamento das corridas.

Diferença de preços

Para simular os preços de táxi e Uber em Lajeado, a reportagem de O Informativo do Vale comparou o trajeto realizado pelos dois serviços. O ponto de partida foi a sede do jornal, na Avenida Benjamin Constant, Bairro Florestal, com destino ao Parque Histórico de Lajeado, no Bairro Alto do Parque.

No Uber, a corrida custaria em média R$ 8. No táxi, com bandeira de R$ 5,90, sairia cerca de R$ 17.

Serviço com segurança

Uma das garantias do aplicativo é a segurança, seja na hora de aguardar o veículo, de efetuar o pagamento ou de verificar o cadastro do motorista. Para quem ainda não é adepto ao serviço, algumas garantias oferecidas podem ser úteis para demonstrar confiabilidade. 

1. O Uber encontra o motorista mais próximo e este inicia o percurso. Você pode acompanhar o trajeto e não precisa esperar na rua.

2. O serviço oferece o nome, a foto e avaliação do motorista, além da cor, da placa e modelo do veículo, possibilitando que as informações se confirmem antes da entrada no carro. 

3. Periodicamente são feitas verificações dos motoristas em tempo real. Ou seja, eles são requisitados a enviar uma foto pelo aplicativo, garantindo que a identidade é a mesma do que a cadastrada.

4. É possível compartilhar a localização, o trajeto e o tempo de chegada com quem desejar. E, caso você utilize o perfil familiar, toda vez que uma pessoa cadastrada inicia uma viagem, também é possível acompanhá-la.

5. O Uber oferece o seguro APP, que cobre acidentes pessoais.

6. Há uma equipe de suporte ao usuário disponível 24 horas caso você tenha alguma dúvida sobre sua viagem, precise encontrar um objeto esquecido ou informar algum incidente.

Por fora do APP

Mesmo com pouco tempo de atuação em Lajeado, o Uber já virou motivo de polêmica. Duas semanas após o início do serviço, um usuário realizou uma chamada para se locomover do Bairro Florestal até o Bairro Hidráulica, percurso que, no aplicativo, custaria apenas R$ 6. Ele, que prefere não se identificar, recebeu uma ligação do motorista, poucos minutos depois de acionar o serviço. Na ligação, o mesmo avisou que, naquela noite, o preço para a corrida seria de R$ 15, o dobro previsto.

Sem outra opção de deslocamento no momento, o passageiro aceitou a oferta. "Não sei se ele quer prejudicar o serviço ou se está tirando vantagem para si mesmo", afirma. Ao descer do carro, o usuário utilizou um suporte disponibilizado pelo Uber que permite, após cada viagem, avaliar o motorista - ele precisa ter determinada média (de 1 a 5 estrelas) para continuar na plataforma. E enviar comentários anônimos. Ao realizar o procedimento, o usuário teve seu dinheiro reembolsado.

Em resposta ao caso, a assessoria de imprensa do Uber afirma que a prática é uma violação aos termos e condições de uso do aplicativo e, quando comprovada, leva ao banimento dos envolvidos. "Ao solicitar uma viagem, o usuário recebe uma estimativa do valor para o trajeto que ele mesmo seleciona. Se houver diferença, basta reportar o problema pelo canal de ajuda do próprio app. Todos os relatos são analisados por uma equipe de suporte especializada. O histórico das viagens somado ao trajeto registrado no GPS permite verificar quando houve diferença. Vale lembrar que todas as viagens da Uber necessariamente só podem ser realizadas por meio do aplicativo. Qualquer viagem feita fora desses padrões não é uma viagem de Uber e, portanto, não dispõe das diversas ferramentas de tecnologia e processos de segurança oferecidas pela plataforma."

Taxistas e regulamentação

As polêmicas envolvendo taxistas e motoristas do Uber não são novidades. Manifestações marcaram grandes capitais ao redor do mundo, onde os taxistas pediram pela proibição do aplicativo, utilizando o argumento de que este é ilegal como serviço de táxi. Em Lajeado, apesar da presença de alguns profissionais na sessão da Câmara de Vereadores de 26 de abril, quando a novidade chegou por aqui, nenhuma ação de repúdio foi realizada ou está prevista.

Pelo contrário, para a vice-presidente da Associação dos Taxistas de Lajeado (ATL), Loraci Silvana Griesang, a crise faz com que todos procurem meios mais baratos de se locomover, mas que não acredita que o aplicativo funcionará tão bem como em outros municípios. "Eu acho que ainda não vai funcionar aqui porque eles estão praticando os valores de grandes capitais, que têm demanda. Aqui a maioria tem carro e moto, então não tem população para andar com o Uber. Não que nós não estejamos preocupados, mas ainda é novo, então partindo do sindicato, ainda não estamos tomando nenhuma atitude sobre isso", explica.

Mesmo sem ação por parte da ATL, a Prefeitura de Lajeado já trabalha na elaboração de uma regulamentação. "O Departamento de Trânsito e a Secretaria da Fazenda estão finalizando um projeto de lei que definirá como se dará a regulamentação do Uber em Lajeado. Ele será discutido primeiramente com o prefeito e, então, encaminhado para apreciação da Câmara de Vereadores, o que deve ocorrer nos próximos dias", comunica a assessoria de imprensa.

Aceitação na cidade

Na primeira semana de atuação do aplicativo, O Informativo do Vale realizou uma enquete por meio do Instagram

(@informativodovale). Da quarta, 25 de abril, a quinta-feira, dia 26, um total de 395 responderam à pergunta: "Você já usou o Uber em Lajeado?". Destes, 10% afirmaram já ter utilizado o serviço.

Como chamar o Uber?

Para acionar o serviço, é preciso ter um celular com Android ou iOS, o que permite baixar o aplicativo.

1 - Acesse o Google Play ou Apple Store e baixe o aplicativo "Uber".

 

2 - Insira seus dados para criar uma conta (número de telefone, e-mail, CPF e data de nascimento).

 

3 - Insira seu destino e escolha uma opção de viagem (o valor aparece já no início).

 

4 - Após requisitar o transporte, você verá a foto do seu motorista e as informações do veículo, além de poder acompanhar a chegada dele no mapa.

Comentários

VEJA TAMBÉM...