Polícia

Membros do Ipê Amarelo visitarão Instituto Floresta

Créditos: da redação
O promotor de Justiça Carlos Augusto Fiorioli palestrou no lançamento do Ipê Amarelo em julho - Lidiane Mallmann

VALE DO TAQUARI | Na sexta-feira da próxima semana, representantes do Instituto Cultural Ipê Amarelo do Vale do Taquari vão a Porto Alegre para uma interlocução com os dirigentes do Instituto Cultural Floresta e após, seguem para uma reunião com o subsecretário de segurança do Rio Grande do Sul.

A viagem à capital tem como objetivo conhecer os métodos e práticas de gestão dos valores arrecadados por doações privadas e como o Ipê Amarelo deve arrecadar os valores possíveis do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). Tais valores devem se manter recolhidos por um ano e passar pelos projetos do Programa de Incentivo ao Aparelhamento da Segurança Pública do Estado do Rio Grande do Sul (Piseg RS). "Nossa pauta é o Ipê Amarelo e o Piseg, que é o que pode ser gasto e onde ser gasto", destaca o titular da Secretaria de Segurança Pública de Lajeado, Paulo Locatelli.

O promotor de Justiça Carlos Augusto Fiorioli comenta que o instituto tem cunho regional. "Buscaremos atender demandas de segurança pública em todos municípios do Vale do Taquari, porém haverá necessidade da classe empresária por indústria ou comércio também compreender esse grande projeto que já demonstrou ser eficiente e resolutivo", destaca Fiorioli, que reitera que o Ipê Amarelo é uma associação que procura trazer um novo modelo de gestão e meios à segurança pública no Vale. "Procura atuar de forma sistêmica e de modo que cada município seja um elo forte", complementa.

O Instituto Cultural Ipê Amarelo foi lançado em 4 de julho, no salão de eventos da Prefeitura de Lajeado. A entidade foi criada nos moldes do Instituto Floresta de Porto Alegre, com foco na prevenção e repressão da violência e que capitaliza valores oriundos do abatimento de ICMS por empresas do Vale do Taquari.


Tratativas

O secretário de segurança de Lajeado, Paulo Locatelli, ressalta que questões como a instalação da Delegacia de Polícia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco) em Lajeado e de uma sede do Colégio Tiradentes continuam sendo tratadas com o Governo do Estado. De acordo com Locatelli, o prédio onde futuramente será a sede da Draco já está em obras na Avenida dos 15. "Temos que trabalhar para o prédio virar uma delegacia, pois é um local alugado", comenta.

 

Comments

SEE ALSO ...