Variedades

Eles continuam vivos

A convite de O Informativo do Vale, o jornalista Marcelo Petter fez um apanhado sobre as principais perdas na música em 2016

Créditos: Marcelo Petter
- Divulgação

O ano de 2016, para muitos, já deveria ter acabado faz tempo. Apenas dez dias do ano haviam se passado e um grande nome da música partia e nos assustava com a forma perene e quase premeditada como tudo aconteceu. 


David Bowie foi o primeiro a inaugurar a lista que cruzou o ano levando gente boa pro andar de cima e que, espera-se, tenha se encerrado após nos tirar George Michael às vésperas de o ano findar. 

Apesar de tudo isso, cá está a mais sólida prova de que a vida não acaba, é eterna. A alma desses músicos e artistas permanece viva em sua arte e não cessará jamais de tocar em nossos toca-discos, rádios, mp3, streamings, assovios? Seguimos!



David Bowie 
(Brixton, Londres, 8 de janeiro de 1947 - Manhattan, Nova Iorque, 10 de janeiro de 2016)

Ao vasculhar as memórias que tenho sobre Bowie, surpreendi-me ao constatar que sua história, para mim, "nasceu e morreu na praia". Explico: há alguns anos atrás, David Bowie era para mim apenas aquela figura elegante, camaleônica e autora de hits como "Let's Dance", Underground" e "Modern Love". 

Selecionando literatura para as férias, caiu-me às mãos a biografia do músico inglês, escrita pelo jornalista Marc Spitz. Pra quem gosta de rock, é um prato cheio, pois narra a trajetória do artista e é muito bem contextualizada. Personagens encantadoras e histórias surpreendentes recheiam o livro. 

Inimaginável para mim até então a quantidade de astros que passaram por suas mãos: Marc Bolan, do T. Rex, o guitarrista Mick Ronson, Iggy Pop, Angela Barnett Bowie, sua primeira esposa, fonte inspiradora de "Angie", dos Stones, entre tantos outros . 

Naquele verão, a história de Bowie fazia "nascer" em mim uma grande admiração por sua obra. Quis o destino que, anos mais tarde, nas mesmas condições, no mesmo lugar, eu viesse a ter conhecimento de sua morte enquanto fazia uma caminhada matutina, e a rádio que eu ouvia tocava uma sequência interminável de seus sucessos. E lembrei que apenas dois dias antes eu fizera um especial comemorando o seu aniversário. Dica: The Rise and Fall of Ziggy Stardust and the Spiders from Mars (1972)




Naná Vasconcelos 
(Recife, 2 de agosto de 1944 - Recife, 9 de março de 2016)

Nosso percussionista mor. Naná Vasconcelos foi mais um grande nome da música que encerrou seu ciclo conosco em 2016. Artista multipremiado, oito prêmios Grammy e oito vezes eleito o melhor percussionista do mundo, o Doutor Honoris Causa pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) tinha uma versatilidade que ia da música erudita ao rock com a maior naturalidade. 

Além do trabalho próprio, participou intensamente da carreira de artistas como os brasileiros Milton Nascimento, Geraldo Azevedo, Zeca Baleiro e Egberto Gismonti, além dos internacionais B. B. King, Jean-Luc Ponty, David Byrne e Pat Metheny. Foi uma das maiores autoridades do mundo em percussão. Dica de disco: Amazonas (1973)




Prince 
(Minneapolis, 7 de junho de 1958 - Chanhassen, 21 de abril de 2016)

Prince Rogers Nelson, junto de Madonna e Michael Jackson, fez parte do time que sacudiu os coloridos e intensos anos da década de 1980. Multi-instrumentista que desfilava por variados estilos, Prince foi catapultado ao sucesso com o álbum Purple Rain (1984), trilha sonora do filme de mesmo nome, considerado pela revista Rolling Stone o segundo melhor álbum dos anos oitenta e 72º na lista dos 500 maiores álbuns de todos os tempos. Levava uma vida bastante resguardada e após sua morte foi ainda mais admirado pelas obras de caridade que fazia. Dica: Sign "?" the Times (1987)




Leon Russell 
(Lawton, Oklahoma, 2 de abril de 1942 - Nashville, Tennessee, 13 de novembro de 2016)

Uma lenda da música mundial. Leon Russell foi um dos mais requisitados músicos de sessão em sua carreira de praticamente 60 anos. Conheci-o através do trabalho com Joe Cocker, na fantástica turnê de 1970, registrada em vídeo e no álbum Mad Dogs & Englishmen. "Delta Lady", inclusive, foi escrita por ele. 

Performático, empático e talentoso, Russell contribuiu também na carreira de artistas do calibre de Eric Clapton, George Harrison, Bob Dylan, Frank Sinatra, Elton John e The Rolling Stones. Sua canção clássica "A Song For You", registrada no seu primeiro álbum solo, Leon Russell (1970), já foi regravada por mais de cem artistas. Dica: Leon Russell (1970)



George Michael 
(Londres, 25 de junho de 1963 - Oxfordshire, 25 de dezembro de 2016)

O cantor britânico foi o que partiu mais recentemente. Também ilustrou a trilha sonora da geração anos 1980 e seguiu uma exitosa carreira. Belas canções como "Careless Whisper" e "Freedom 90" embalaram e ainda embalam romances e baladas. Assim como Prince, mantinha assistência a instituições de caridade anonimamente, o que fez com que a admiração de seus fãs só aumentasse. Aos que foram adolescentes/jovens em meados dos anos 1980, certamente a obra de Michael remete às saudosas reuniões dançantes, festinhas de garagem e boates de Estrela e Lajeado. Bons tempos. Dica: Listen Without Prejudice Vol. 1 (1990)

Outros artistas que nos deixaram em 2016

18/01 _ Glenn Frey (Eagles)

28/01 _ Paul Kantner (Jefferson Airplane)

03/02 _ Maurice White (Earth, Wind & Fire)

01/03 _ Severino Filho (Os Cariocas)

02/04 _ Gato Barbieri (Músico de Jazz argentino)

24/04 _ Billy Paul (Cantos R&B)

15/05 _ Cauby Peixoto

21/05 _ Nick Menza (Megadeth)

29/05 _ Mario Sergio Ferreira (Fundo de Quintal)

05/08 _ Vander Lee

15/08 - Bobby Hutcherson (músico de Jazz)

17/08 - James Woolley (Nine Inch Nails)

22/08 - "Toots" Thielemans

19/09 _ Peninha (Barão Vermelho)

24/09 - Buckwheat Zydeco

26/09 - Carmen Silva

04/11 - Leonard Cohen

07/12 _ Greg Lake (Emerson, Lake & Palmer)

 

Comments

SEE ALSO ...