Variedades

Seminário de Carnes e Derivados debate serviço de inspeção

Painel destaca-se na programação que encerra a Jornada Técnica do Setor Alimentício 2018

Créditos: Julian Kober
- Julian Kober

Lajeado - O Seminário de Carnes e Derivados e o Meeting Empresarial encerraram ontem a Jornada Técnica do Setor Alimentício 2018 - AlimentaAçãoRS -, realizada desde segunda-feira no Weiand Hotel. O primeiro discutiu temas relevantes ligados aos produtos de origem animal. O ponto alto foi o painel sobre o Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Sisbi-Poa), que contou com a participação de profissionais que atuam em serviços de inspeção no âmbito nacional, estadual e municipal, com o objetivo de esclarecer as principais dúvidas do setor em relação à legislação vigente.

Beatris Kuchenbecker

A auditora fiscal do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), médica veterinária Beatris Kuchenbecker, realizou uma contextualização histórica da lei de inspeção no Brasil. Destaca que a legislação, criada em 1950, discutida e atualizada de tempos em tempos para se adequar à realidade atual. Depois, discorreu sobre o Sisbi-Poa, explicando que os municípios que aderem a ele podem indicar suas agroindústrias para comercializar seus produtos em todo o Brasil. A auditora também detalha a importância dos profissionais do setor em conhecer e obedecer às normas vigentes. "Diante de um mercado cada vez mais exigente, tanto nacional quanto internacional, nós temos que colocar na cabeça que precisamos ler e entender a legislação. Não adianta ficar reclamando dela. Precisamos avançar neste sentido", frisa. Ela também cita diversas vantagens do serviço de inspeção, desde a garantia de alimentos seguros ao estímulo à formalização das agroindústrias por meio da ampliação do mercado consumidor.

Diego Faccin

O coordenador adjunto da Coordenadoria de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Cispoa), médico veterinário Diego Faccin, falou sobre os atributos para aderir ao Sistema Unificado Estadual de Sanidade Agroindustrial Familiar, Artesanal e de Pequeno Porte (Susaf), que possibilita o comércio em todo o território do Rio Grande do Sul. Para integrar o sistema, o Serviço de Inspeção do Município (SIM) deve seguir a legislação federal, estadual ou dispor de regulamentos equivalentes para inspeção de produtos de origem animal, comprovando estrutura e equipe compatíveis para a realização das atividades. Faccin também salienta que a necessidade de realizar ações de combate à fraude econômica e às atividades clandestinas de obtenção e comércio de produtos de origem animal. Para o profissional, é importante que os municípios invistam na educação sanitária, tanto para os estabelecimentos quanto para a população, promovendo os hábitos saudáveis e contribuindo para o trabalho da fiscalização. "Hoje, um dos maiores problemas para um município conseguir a equivalência é a cabeça do gestor. Prefeitos e vereadores que não entendem a importância do trabalho de fiscalização dificultam este trabalho".

Ariel Lima

O coordenador do Sistema de Inspeção Municipal (Sim) de Santana do Livramento, médico veterinário, abordou a importância trabalho de fiscalização no município. "A adesão ao Susaf ou Sisbi depende do trabalho de fiscalização municipal. Precisamos mostrar a nossa força e não ter medo de assumir as nossas responsabilidades", ressalta. A equipe de Ariel é responsável pela fiscalização de 67 estabelecimentos, que trabalham em parceria com o SIM. "Muitos ficam satisfeitos com a presença da fiscalização, inclusive cobram quando a gente não aparece." Para o profissional, a inspeção é fundamental para o desenvolvimento das agroindústrias e faz com que mais produtores buscam a legalização. "A cada ano, o número de abates só aumenta à medida que a fiscalização está cada vez mais presente."

Saiba mais

A promoção da Jornada Técnica do Setor Alimentício 2018 - AlimentaAçãoRS - foi da Associação Comercial e Industrial de Lajeado (Acil), Grupo Técnico em Alimentos (GTA) e Agea Marketing.

 

 

Comentários

VEJA TAMBÉM...