Coronavírus

Estado veda funcionamento do comércio em Lajeado

Medida foi anunciada na tarde de quinta-feira e cidades do Vale também serão atingidas pela determinação


Durante coletiva de imprensa, feita pelas redes sociais, governador Eduardo Leite anunciou novas medidas de segurança - Felipe Dalla Valle/Palácio Piratini

VALE DO TAQUARI | Em coletiva de imprensa, feita pelas redes sociais, o governador Eduardo Leite divulgou novas medidas de restrições e isolamento, principalmente para as regiões com aumento de casos do novo coronavírus (Covid-19) nas últimas semanas.

Com base nos protocolos para definição do novo modelo de distanciamento controlado, Lajeado e região estão classificados como bandeira vermelha. Essa determinação ocorreu, segundo a secretária de Planejamento, Leany Lemos, porque houve uma elevação no número de casos confirmados nos últimos sete dias em Lajeado. Além disso, é analisada a incidência para cada 100 mil habitantes. Por isso, as atividades comerciais foram vedadas pelo Governo do Estado, sem possibilidade de flexibilização por parte das administrações municipais.

A medida está valendo a partir desta sexta-feira e se mantém até a divulgação do novo decreto, prevista para o dia 6 de maio.
A bandeira vermelha, vigente neste momento, leva em consideração 11 indicadores, com pesos individuais A secretária de Planejamento explica que os indicadores estão divididos em dois blocos, cada um com peso cinco (somando 10 no total), e subdivididos em diversas categorias.

A partir dos dados levantados, analisados e somados, será definida a cor da bandeira das regiões do Estado. Leany explica que existem 30 regiões de saúde e sete microrregiões no Estado, porém, para o acompanhamento dos indicadores, algumas foram reunidas, totalizando 20. Assim, as secretarias de Saúde e Planejamento, para avaliação dos indicadores, analisam as 20 regiões. Segundo a secretária, o critério para essa junção de regiões foi os municípios, que dentro de uma região, possuem hospitais de referência para leito de UTI.

Bandeiras
De acordo com o governador Eduardo Leite, haverá quatro estágios de controle em todo o Estado. Eles serão identificados por bandeiras nas cores amarela, laranja, vermelha e preta. A amarela indica uma situação mais branda, com medidas mais amenas. O grau de restrição vai aumentando, conforme os indicadores, e podem chegar até a preta, quando seria necessário o isolamento social completo, também chamado de lockdown.

Secretária de Planejamento do Estado, Leany Lemos ressalta como o Rio Grande do Sul está neste momento. "Nosso Estado, nem o Brasil, nunca viveu nada assim. É algo novo, que, tomara, não seja preciso a gente conhecer e adotar as medidas", salienta.

Para estabelecer a cor das bandeiras foram definidos dois grupos de medidores: propagação e capacidade de atendimento. Cada um deles tem peso de 50% para a definição das bandeiras. Segundo o governador Eduardo Leite, a coleta dos dados será diária, mas a atualização das cores de cada região ocorrerá aos sábados, valendo para a semana seguinte.

Cada bandeira indicará, também, o nível de distanciamento que a região precisará adotar. O governo do Estado vai receber sugestões quanto ao tema até o dia 2. Esses protocolos irão envolver as regras que terão de ser adotadas conforme a bandeira da região e o setor econômico, como por exemplo, quanto ao funcionamento, se pode ficar aberto ou não; ao horário, com restrições ou não; à triagem (medição de temperatura) dos colaboradores; quais EPIs são obrigatórios no atendimento, como máscaras e luvas; se devem ter afastamento de grupos de risco; e algum tipo de distanciamento mínimo entre pessoas e limitação de pessoas.

REGIÕES A PARTIR DA CIDADE MAIS POPULOSA:

1. Santa Maria (Centro-Oeste)
2. Uruguaiana (Centro-Oeste)
3. Capão da Canoa (Metropolitana)
4. Taquara (Metropolitana)
5. Novo Hamburgo (Metropolitana)
6. Canoas (Metropolitana)
7. Porto Alegre (Metropolitana)
8. Santo Ângelo (Missioneira)
9. Cruz Alta (Missioneira)
10. Ijuí (Missioneira)
11. Santa Rosa (Missioneira)
12. Palmeira das Missões (Norte)
13. Erechim (Norte)
14. Passo Fundo (Norte)
15. Pelotas (Sul)
16. Bagé (Sul)
17. Caxias do Sul (Serra)
18. Cachoeira do Sul (Vales)
19. Santa Cruz do Sul (Vales)
20. Lajeado (Vales)

Região dos Vales abrange os seguintes municípios: Anta Gorda, Arroio do Meio, Bom Retiro do Sul, Boqueirão do Leão, Canudos do Vale, Capitão, Colinas, Coqueiro Baixo, Cruzeiro do Sul, Dois Lajeados, Doutor Ricardo, Encantado, Estrela, Fazenda Vilanova, Forquetinha, Ilópolis, Imigrante, Lajeado, Marques de Souza, Muçum, Nova Bréscia, Paverama, Poço das Antas, Pouso Novo, Progresso, Putinga, Relvado, Roca Sales, Santa Clara do Sul, São José do Herval, São Valentim do Sul, Sério, Taquari, Teutônia, Travesseiro, Vespasiano Corrêa e Westfália.

Dia das Mães
Em relação ao Dia das Mães, celebrado no domingo, 10, o governador Eduardo Leite garantiu que medidas estarão previstas no novo decreto. Segundo ele, a data é importante para o comércio e, por isso, o Governo do Estado sabe da necessidade de haver o funcionamento das atividades. O destaca que o comércio das regiões de cores amarela e laranja poderão seguir atuando, conforme já estão. As regiões de cores vermelhas, como Lajeado, só poderão atuar modo drive-thru, pague e leve ou por delivery, para que não haja aglomerações nos estabelecimentos.

Aulas suspensas até junho
O governador Eduardo Leite informou que as aulas da rede pública, em escolas estaduais e municipais, ficarão suspensas no Rio Grande do Sul até junho. Para isso, o recesso de inverno, que ocorre, normalmente, em julho, será antecipado para o mês de maio. "Suspenderemos as aulas por mais 15 dias e anteciparemos os 15 dias de recesso para o mês de maio. Na prática, as aulas retornam apenas em junho", explicou Leite. A expectativa é de que o ano letivo termine em janeiro de 2021.

Conforme Leite, durante o mês de maio, serão estabelecidos protocolos para que os alunos, professores e servidores possam retomar as aulas com segurança. O governador explicou que isso poderá exigir a compra de materiais ou equipamentos de proteção e reforço de recursos humanos, cujos processos de aquisição e contratação podem levar mais tempo.

Para a rede privada, os protocolos serão finalizados na próxima semana e lançados juntamente com todos as regras de funcionamento para as atividades econômicas. Por enquanto, em caráter transitório, as aulas da rede privada seguem suspensas, mas, de acordo com Leite, é possível que haja uma antecipação da retomada, que pode ocorrer ainda em maio. "Vamos definir o protocolo para a educação, e a rede privada, se tiver condições de atender esses protocolos, poderá retomar as aulas antes", explicou.

Comments